ASTRONOMIA

Dia de ver o eclipse total da superlua de sangue

Fenômeno raro ocorreu pela última vez há 33 anos

Claudia Parente
Claudia Parente
Publicado em 26/09/2015 às 7:35
Leitura:

Um fenômeno astronômico raro, ocorrido pela última vez há 33 anos, poderá ser vislumbrado na noite de domingo (27). Não bastasse o misticismo que envolve a lua de sangue - efeito causado pela refração dos raios solares que atravessam a atmosfera terrestre, exceto os vermelhos -, quem olhar para o céu testemunhará a combinação fantástica de um eclipse total com uma superlua.

O astrofísico da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) Antonio Carlos Miranda explica que a Lua parece maior porque está 50 mil quilômetros mais próxima da Terra. “Nós veremos o satélite 15% maior e 30% mais brilhante que o usual”, adianta. O fenômeno deve começar por volta das 23h11 (horário de Brasília) e se estender até 0h23, do continente americano até o Oriente Médio.

Infográfico

Lua de sangue

No Recife e Olinda, o Espaço Ciência e a UFRPE montaram uma extensa programação para o publico desejoso de observar o fenômeno. Na Torre Malakoff, além de telescópios e monitores para prestar informações, o astrofísico Antonio Miranda organizou um luau, como direito a seresta e tudo. A “concentração” começa às 18h. “Só vamos sair de lá depois do nascer do sol”, garante.

Já o Espaço Ciência concentrou todas as atividades no Observatório da Sé. Como prévia para o eclipse, quem for ao observatório poderá apreciar a exposição A última fronteira - o 1º andar é todo dedicado à Lua - e participar de jogos lúdicos de astronomia. A observação propriamente dita começa às 22h30 e segue até 1h30. “É um momento muito propício para as pessoas aprenderem sobre a dinâmica celeste”, acredita o diretor do Espaço Ciência, Antonio Carlos Pavão, acrescentando que todos podem levar seus binóculos.

http://blogs.ne10.uol.com.br/social1/files/2015/09/superlua.jpg

O observatório também vai propor alguns desafios para testar o conhecimento do público. “Vamos fazer duas perguntas. Na primeira, mais fácil, os presentes terão de dizer onde está o Sol. Na segunda, mais complexa, devem responder porque não ocorre eclipse todo mês, embora a Terra fique entre o Sol e Lua pelo menos uma vez nesse período”, adianta Pavão. A entrada, tanto no Observatório quanto na Torre Malakoff, é gratuita. 

Quem perder a oportunidade de apreciar o eclipse total da superlua terá que esperar até 2033, quando o fenômeno voltará a se repetir. O evento está relacionado à órbita ligeiramente elíptica do satélite: a Lua gira ao redor da Terra, mas faz isso em um círculo formando um ovo, que se afasta, mas está constantemente em nosso planeta.

Leia mais na edição digital do JC deste sábado

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias