Pré-história

Livro conta a história do Museu de Arqueologia da Unicap

Museu de Arqueologia expõe material resgatado de cemitério indígena na Furna do Estrago, em Brejo da Madre de Deus

Cleide Alves
Cleide Alves
Publicado em 02/07/2016 às 8:08
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
FOTO: Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

A história do Museu de Arqueologia da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), que vem sendo contada ao longo de 29 anos, agora está registrada em livro. Com 157 páginas ilustradas, a publicação ainda está quentinha do forno e não será vendida. Estará disponível para consultas em museus, bibliotecas, universidades e instituições de pesquisa do Recife e de outros Estados brasileiros.

“Nosso objetivo é divulgar a pré-história de Pernambuco”, afirma a bióloga Maria do Carmo Caldas, autora do livro Memórias do Museu de Arqueologia da Unicap, patrocinado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Ela narra a trajetória do centro cultural, desde a inauguração em abril de 1987 numa sala de aula do Bloco G da universidade até a transferência para um espaço nobre no Palácio da Soledade.

Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Esqueletos humanos da pré-história em exibição no Museu de Arqueologia da Unicap, no Recife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Esqueletos do Museu de Arqueologia da Unicap pertenceram a povos coletores caçadores da pré-história - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Esqueletos humanos da pré-história em exibição no Museu de Arqueologia da Unicap, no Recife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Museu de Arqueologia da Unicap é guardião de material encontrado em cemitério indígena pré-histórico - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Achado arqueológico da Furna do Estrago, em Brejo da Madre de Deus, compõe acervo do Museu da Unicap - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Museu de Arqueologia da Unicap é guardião de material encontrado em cemitério indígena pré-histórico - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Esqueletos do Museu de Arqueologia da Unicap pertenceram a povos coletores caçadores da pré-história - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Cemitério indígena pré-histórico localizado na Furna do Estrago, em Brejo da Madre de Deus (PE) - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Acervo pessoal da pesquisadora Jeannette Lima, que achou o cemitério indígena na Furna do Estrago - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Maria do Carmo Caldas, bióloga e coordenadora do Museu de Arqueologia da Unicap - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Livro sobre Museu de Arqueologia é uma homenagem à pesquisadora Jeannette Lima, diz Maria do Carmo - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
O livro Memórias do Museu de Arqueologia da Unicap é financiado pelo Instituto Brasileiro de Museus - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem

 

O museu é mantido pela Católica e funciona no térreo do palácio, localizado no bairro da Soledade, Centro do Recife, desde 2015. “Recebemos mais de dois mil estudantes por ano, com visita guiada gratuita”, comenta Maria do Carmo. Apenas as escolas que, além de conhecer a coleção, solicitam aula, precisam pagar uma taxa – R$ 7 por aluno para colégios privados e R$ 2 por aluno para estabelecimentos públicos.

Como o local é dedicado à pré-história pernambucana, todas as aulas são contextualizadas nesse período. Os professores podem escolher os seguintes assuntos: pintura rupestre, extinção da megafauna, cerâmica, hábitos alimentares e evolução do homem. “Cada aula está relacionada a um trecho da exposição”, diz Maria do Carmo, coordenadora do museu.

Na extinção da megafauna, por exemplo, os monitores mostram aos estudantes um osso de preguiça-gigante e a arcada dentária de um mastodonte resgatados em pesquisa arqueológica no município de Brejo da Madre de Deus, no Agreste do Estado. Durante a aula sobre cerâmica os alunos ficam sabendo que esses recipientes não eram só peças decorativas.

Os potes funcionavam como reservatório de mantimentos. “Eles usavam as vasilhas para guardar o que colhiam”, diz a bióloga, acrescentando que pelos detalhes preservados nas cerâmicas é possível identificar o tipo de população que habitava a região. “Fazemos o registro da história do homem, explicando como a cultura evoluiu até os dias atuais”, diz ela.

A exposição permanente do museu (Um cemitério indígena de 2000 anos) é composta de esqueletos humanos resgatados na Furna do Estrago, em Brejo da Madre de Deus, e que deu origem ao centro cultural.

Maria do Carmo informa que a partir da próxima segunda-feira (4) estão abertas no museu.unicap.br as inscrições ao curso de férias Arqueologia para Crianças: Brincando e Conhecendo o Recife. Haverá uma turma de 11 a 15 de julho pela manhã e outra de 18 a 22 de julho à tarde, com 24 vagas por turno, para jovens de 7 a 12 anos.

O Museu de Arqueologia fica na Rua Oliveira Lima, 824. Abre às segundas, quartas e sextas pela manhã; e às terças e quintas no horário da tarde.

Últimas notícias