Bolsa

Professores do Proupe realizam paralisação em 13 autarquias do Estado

A categoria reivindica o repasse referentes às bolsas de estudo do programa, que estão atrasadas desde outubro

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 31/03/2016 às 21:53
Foto: Cortesia
A categoria reivindica o repasse referentes às bolsas de estudo do programa, que estão atrasadas desde outubro - FOTO: Foto: Cortesia
Leitura:

Os professores do Programa Universidade para Todos de Pernambuco (Proupe) realizaram na noite desta quinta-feira (31) uma paralisação em aas 13 autarquias educacionais do Estado. As aulas voltam ao normal nesta sexta-feira (1º).

A categoria, com apoio dos alunos, reivindica o repasse referentes às bolsas de estudo do programa, que estão atrasadas desde outubro do ano passado. Além disso, eles cobram a abertura de novos processos seletivos estabelecidos em decreto assinado pelo ex-governador Eduardo Campos, em 2011. 

De acordo com a presidente da Comissão Avaliativa da Autarquia de Arcoverde, Josigleide Silva de Lima, pelo decreto assinado por Eduardo Campos, a cada seis meses o governo deveria abrir um edital de matrícula para o incentivo da formação de professores, mas não é isso que acontece atualmente. “Antes, quando um aluno se formava, a bolsa dele era repassada para outro aluno. Agora, temos que entregar essas vagas para o governo. Aqui em Arcoverde contávamos com cerca de 1.449 bolsas, mas em junho do ano passado entregamos 132 vagas e em janeiro deste ano mais 205” disse.  

Segundo o diretor do Centro de Ensino Superior de Arcoverde, Franklin Freire, em uma reunião realizada no último dia 15, com representantes da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Sectec), o programa não tem previsão de receber esse pagamento atrasado. “Nós não temos novo edital há um ano e os alunos bolsistas começam a acumular dívidas. Aqui em Arcoverde recebemos por volta de 165 mil por mês, cerca de R$ 700 mil somados todos os meses de atraso, então é muito complicado continuar funcionando assim”, informou.

Ainda de acordo com Franklin, a Sectec informou que o programa não atingiu o objetivo e precisa ser revisto. “É muito triste escutar de um aluno que o sonho era ser professor, mas como filho de agricultor não pode pagar a faculdade”, lamentou. 

O JC Online entrou em contato com a Seectec mas, até a publicação desta matéria, não havia obtido retorno. 

Uma audiência pública discutirá o programa no dia 13 de abril, às 9h, com a presidente da Comissão de Educação e Cultura da Assembleia Legislativa de Pernambuco, a deputada Teresa Leitão (PT).

PROUPE

O Proupe é um programa que oferece bolsas que custeiam a mensalidade de estudantes em 100%, 50% e 25%. A prioridade é financiar licenciaturas. No total, 13 autarquias estão integradas ao Programa nos municípios de Goiana, Cabo de Santo Agostinho, Palmares, Limoeiro, Garanhuns, Belém de São Francisco, Belo Jardim, Arcoverde, Araripina, Salgueiro, Serra Talhada, Afogados da Ingazeira e Petrolina.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias