MOBILIDADE

Túnel da Abolição vai ficar pronto em abril

Uma das principais obras do Corredor Leste-Oeste, a passagem subterrânea vai facilitar o tráfego no cruzamento da Real da Torre com a Caxangá

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 21/03/2014 às 6:15
Bobby Fabisak/JC Imagem
Uma das principais obras do Corredor Leste-Oeste, a passagem subterrânea vai facilitar o tráfego no cruzamento da Real da Torre com a Caxangá - FOTO: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

O Túnel da Abolição, umas das mais importantes obras que compõem o corredor de BRT (Bus Rapid Transit) Leste-Oeste, ficará pronto no dia 30 de abril, com a promessa de mudar a paisagem e, principalmente, a mobilidade dos ônibus e carros que trafegam no cruzamento da Avenida Caxangá com a Rua Real da Torre, na Madalena, Zona Oeste do Recife. A passagem deveria estar concluída desde janeiro, como previsto no primeiro cronograma divulgado pelo governo do Estado, mas entraves com desapropriações e liberações técnicas – comuns às obras públicas – atrasaram tudo. A nova data de conclusão, entretanto, foi confirmada, ontem, pela Secretaria Estadual das Cidades. Nem mesmo as chuvas dos últimos dias atrapalharão o cronograma, garantiu o órgão.

Quem passa pela obra percebe que, agora, ela está avançada. Moradores e comerciantes do entorno do túnel reclamam dos prazos, criticando o ritmo lento dos trabalhos. Mas eles estão prosseguindo e já é possível ver a passagem sob a Avenida Caxangá. “Nós estamos na fase das fundações da área. Será, exatamente, o espaço onde iremos construir a estação de troca de passageiros. Nela, as pessoas poderão sair do sistema convencional de ônibus, que estarão passando sob o túnel, para acessar o Corredor Leste-Oeste. Subirão por uma escada, chegando à praça e, em seguida, acessando a estação de BRT da Avenida Caxangá. Será um local de transferência. Quem quiser ir para o Centro, por exemplo, usará essa área”, explica o secretário-executivo de Mobilidade, Gustavo Gurgel, quem coordena os trabalhos.

O Túnel da Abolição está orçado em R$ 16 milhões e faz parte de um investimento de aproximadamente R$ 150 milhões, valor do Corredor Leste-Oeste. A passagem subterrânea vai otimizar um dos principais pontos de retenção do corredor Caxangá-Benfica, melhorando, consideravelmente, a velocidade média do tráfego misto e do corredor de transporte da Avenida Caxangá. Com a intervenção, a capacidade viária do cruzamento da Rua Benfica com a Real da Torre, que hoje é de 4.620 veículos por hora, passará para 8.250 veículos por hora. Com uma extensão de 287 metros, o túnel terá três faixas de rolamento e vai atender aos veículos particulares e coletivos que vierem da Rua Real da Torre e seguirem para a Rua João Ivo da Silva. Hoje, são mais de 56 mil veículos de passeio e quase 6 mil ônibus circulando nas vias próximas à Rua Real da Torre. 

As pessoas que criticam a obra não se dizem contra a construção do túnel, mas lamentam a demora nos trabalhos. “Ele deveria estar pronto desde janeiro. Tive uma queda de movimento de 70% e estou vendendo os objetos da loja praticamente pelo preço de compra. Tinha três funcionários e hoje estou apenas com um. Não sou contra a obra, mas o ritmo estava muito lento. Eram dez trabalhadores, sendo que apenas três trabalhavam. Sete ficavam conversando. As coisas só melhoraram depois que o governador Eduardo Campos visitou o canteiro”, criticou a comerciante Cícera de Lima.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias