Sífilis

Ação da Secretaria de Saúde alerta sobre o aumento nos casos de sífilis

Agentes da secretaria distribuíram panfletos e preservativos no metrô. Em 2015, foram notificados 3249 casos em Pernambuco

JC Online
JC Online
Publicado em 14/10/2016 às 14:42
Foto: Reprodução
Agentes da secretaria distribuíram panfletos e preservativos no metrô. Em 2015, foram notificados 3249 casos em Pernambuco - FOTO: Foto: Reprodução
Leitura:

Em 2015, foram notificados 3249 de sífilis em Pernambuco. Desse total, 1.220 acometeram gestantes, 1.220 são casos de sífilis adquirida e 1.171 congênita. Apesar de ser uma doença de fácil diagnóstico e tratamento, o aumento no número de casos chamou a atenção da Secretaria de Saúde do Estado.

Na manhã desta sexta (14), técnicos do Programa Estadual de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST/Aids) distribuíram folhetos informativos e preservativos femininos e masculinosna Estação Central do Metrô, Bairro de São José, Centro. 

"Sempre uso camisinha, mas nunca usei a feminina. Aproveitei a ação para pegar algumas e ter as orientações tanto sobre o uso, quanto sobre a doença", diz a vendedora Adriana Gomes, 42.

O teste rápido (TR) de sífilis está disponível nos serviços de saúde do SUS, sendo prático e de fácil execução, com leitura do resultado em, no máximo, 30 minutos, sem a necessidade de estrutura laboratorial.

Prevenção

“Historicamente, sabemos que as mulheres procuram mais os serviços de saúde. Então, é necessário chamar a atenção que as ações de prevenção e assistência devem se estender aos homens. Se apenas a mulher se trata, a cadeia de transmissão não será interrompida, ficando essas mulheres vulneráveis à recontaminações pela bactéria da sífilis”, esclarece o coordenador do Programa de IST/Aids, François  Figueiroa.

A doença é causada por uma bactéria chamada Treponema pallidum, que é geralmente transmitida via contato sexual e que entra no corpo por meio de pequenos cortes presentes na pele ou por membranas mucosas.

Apesar do sexo ser o principal meio de contágio, a mulher portadora da bactéria durante a gestação pode transmitir para o feto durante todo o período gestacional. O resultado da contaminação do feto pode ser o abortamento, óbito fetal e morte neonatal ou o nascimento de crianças com sífilis.

Após a infecção inicial, a bactéria pode permanecer no corpo da pessoa por décadas para só depois manifestar-se novamente.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias