SAÚDE

Jovem transplantado volta a Pernambuco

Weverton recebeu um novo intestino nos EUA

Da editoria de Cidades
Da editoria de Cidades
Publicado em 08/06/2017 às 17:01
Sérgio Bernardo/JC Imagem
Weverton recebeu um novo intestino nos EUA - FOTO: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Leitura:

Um ano e meio após desembarcar nos Estados Unidos para realizar um transplante de intestino, o jovem Weverton Fagner de Medeiros Gomes, 19 anos, voltou ao Brasil, mais especificamente, à cidade de Vitória de Santo Antão, no Agreste do Estado. O caso ganhou notoriedade após a família lançar uma campanha para ajudar nos custos do tratamento. A cirurgia foi feita nos Estados Unidos e custou R$ 3,5 milhões, valor que foi bancado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) após o caso ser levado à Justiça pelos familiares.


>Weverton e os pais chegaram na manhã de ontem ao Recife, vindos de Miami, no Estado da Flórida, onde viveram nos últimos 18 meses. O jovem foi operado no Jackson Memorial Hospital, principal referência na área de transplantes múltiplos no mundo. Coincidentemente, o médico que realizou o procedimento é um brasileiro: o paranaense Rodrigo Vianna, diretor do Miami Transplant Institute,e uma das maiores autoridades no assunto em atividade.


Weverton foi recebido por parentes e amigos no Centro de Vitória de Santo Antão. Tímido e de poucas palavras, abraçou e foi felicitado pelas pessoas presentes. “Agora ele precisa descansar. Foi um ano e meio de muita luta e nossa expectativa agora é que ele leve uma vida normal”, diz o pai do jovem, Ubiratan Gomes.

EUA


Sobre o período nos EUA, ele lembra da dificuldade com o idioma e da apreensão com relação ao sucesso da cirurgia. “Mas a gente descobriu que existem anjos, pessoas muito boas que se empenharam ao máximo no caso do meu filho”, diz, numa referência à equipe do hospital.


Em 2015, o jovem foi diagnosticado com trombose no intestino, resultado de uma cirurgia para a retirada do apêndice. Cerca de 90% do órgão teve que ser retirado, o que fez com que Weverton precisasse de novos intestinos. Não havia o que ser feito no Brasil, apenas nos Estados Unidos, onde cirurgias semelhantes já haviam sido realizadas, com sucesso. A família acionou a Justiça, que determinou ao governo federal o custeio da operação. “Apenas a cirurgia custa US$ 1,5 milhão. Meu filho passou 72 dias na UTI, e cada dia custa US$ 6 mil, ou R$ 20 mil, fora os remédios”, explica Ubiratan.


Ele calcula que a família passou cerca de um ano dentro do hospital, somando o período de pós-operatório, a cirurgia e a demorada recuperação do jovem. “Os outros seis meses foram para a reabilitação, para que ele pudesse ter condições de voltar ao Brasil”. Ubiratan conta, com orgulho, da amizade que fez com o médico famoso que operou o filho. “Ele é um dos maiores cirurgiões do mundo e ia ao nosso apartamento para jogar videogame comigo”. A vontade da família Gomes de voltar ao Brasil era tão grande que a família apenas fechou a porta do imóvel onde morava, em Miami, e seguiu para o aeroporto. “Um amigo nosso, que mora lá, vai cuidar de resolver as coisas”, conta, numa referência ao contrato de aluguel.


Em Pernambuco, Weverton Fagner será acompanhado pelo Instituto do Fígado de Pernambuco (IFP), associação sem fins lucrativos dedicada exclusivamente para pacientes do SUS. “Vamos nos inscrever em programas para a distribuição de medicamentos de alto custo, pois ele ainda vai precisar de remédios que não são comercializados em farmácias e que são muito caros”, conta o pai de Weverton.

Últimas notícias