CASO CARLINHOS

Mãe de Carlinhos volta de Buenos Aires mais uma vez sem o filho

A fisioterapeuta Cláudia Boudoux afirma ter pago viagem do próprio bolso e que pai do garoto esteja influenciando o menino contra ela

JC Online
JC Online
Publicado em 22/06/2017 às 3:53
Foto: Diego Nigro / Acervo JC Imagem
A fisioterapeuta Cláudia Boudoux afirma ter pago viagem do próprio bolso e que pai do garoto esteja influenciando o menino contra ela - FOTO: Foto: Diego Nigro / Acervo JC Imagem
Leitura:

O caso do menino Carlinhos, sequestrado pelo pai do Recife e levado para a Argentina, ganhou mais um capítulo na noite desta quarta-feira (21). A mãe do garoto, a fisioterapeuta Cláudia Boudoux, afirmou ter sido ouvida pela justiça argentina em Buenos Aires. Seu depoimento teria sido acompanhado pela juíza do caso no país portenho, uma defensora de menores e uma psicóloga. Logo após ela apresentar sua versão dos fatos, o menino teria sido ouvido e, no fim, rejeitado voltar para o Recife com a mãe. 

"Foi tão drástica a parte da alienação que o pai fez com essa criança. Ele falou tão mal de mim, ele trabalhou tanto a cabeça dessa criança que está me odiando. Como pode ser possível que um filho odeie a mãe como Carlinhos está me odiando?", questiona Cláudia Boudoux.

Ida a Buenos Aires 

Cláudia lamenta que a viagem teria sido financiada com recursos próprios, mesmo com pedido de auxílio financeiro junto à Secretaria da Criança e da Juventude de Pernambuco, que teria negado de última hora a ajuda. Entre a compra da passagem e o embarque ela teve apenas duas horas para se preparar. A audiência foi acompanhada pelas advogadas de Cláudia na Argentina, autoridades da Embaixada Brasileira. 

"Eu tive que comprar uma passagem de última hora porque eu sabia que era importante estar aqui, era importante que a juíza olhasse nos meus olhos e visse que eu estava falando a verdade, era uma chance que eu tive de lutar pelo meu filho. Eu comprei uma passagem muito mais cara de última hora", explica.

O caso 

Carlos Attias Boudoux, o Carlinhos, tinha 8 anos em dezembro de 2015, quando foi sequestrado pelo pai, o empresário argentino Carlos Attias, que chegou a ser incluído na lista vermelha da Interpol pelo ocorrido. Em setembro do ano passado, o empresário enviou um vídeo onde dizia ter levado Carlinhos atendendo a um pedido do garoto, que afirmava sofrer maus tratos por parte da mãe e da avó.  

Cláudia Boudoux alega que o pai estaria influenciando o menino para ficar contra ela e acusa Carlos Attias de cometer alienação parental. "É uma situação no mínimo curiosa que eu só maltrate meu filho pequeno e minhas filhas mais velhas me adorem. Elas são felizes, são crianças normais e meu filho pequeno não quer nem me ver. Isso é aterrorizante", afirma a mãe. Ela diz ainda que, em algum momento, "Carlinhos vai entender o que está acontecendo e vai se revoltar com o pai."

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias