Violência

Entidades cobram investigação de mortes ocorridas em ação policial

Reunião ocorreu na tarde desta segunda-feira (26), no quartel da Polícia Militar, no Derby

Da editoria de Cidades
Da editoria de Cidades
Publicado em 26/06/2017 às 20:38
Foto: Divulgação
Reunião ocorreu na tarde desta segunda-feira (26), no quartel da Polícia Militar, no Derby - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

A Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa e integrantes do Fórum Popular de Segurança Pública se reuniram, na tarde desta segunda-feira (26), na sede da Polícia Militar, para discutir as duas mortes ocorridas, durante ações policiais, na Comunidade do Bode, no bairro do Pina, na Zona Sul do Recife, nos dias 15 e 17 de junho deste ano. O encontro ocorreu na Diretoria de Articulação Social e de Direitos Humanos da PM.


As vítimas foram o jovem Esdras Henrique Silva Teles, 19 anos, e o pedreiro Ramon Gonçalves Cavalcante, 30, ambos moradores da comunidade. Nos dois casos, vizinhos e familiares das vítimas afirmam que a PM agiu com truculência e chegou atirando, sem que houvesse reação dos moradores. Os dois crimes estão sendo investigados pela Delegacia de Boa Viagem.

Na reunião, ficou decidido que as entidades que integram o Fórum Popular de Segurança Pública farão uma visita à comunidade para tentar estabelecer um canal de diálogo entre os moradores e a PM, no sentido de melhorar a ação policial na área. "A ideia é que os moradores possam fazer suas colocações e isso ajude no trabalho de prevenção social da policial dentro da comunidade", explicou o deputado Edilson Silva, presidente da Comissão de Cidadania e DH da Assembleia.

CONTROLE SOCIAL

O deputado disse que o controle social hoje em dia é maior e mais organizado para evitar que eventuais excessos por parte de agentes de segurança fiquem impunes. "Vamos acompanhar o andamento dos inquéritos e das investigações abertas na corregedoria", afirmou. Pela PM, participaram da reunião o sub-diretor da Diretoria de Articulação Social e de Direitos Humanos da PM, tenente-coronel Mardenny Maia, e o comandante do 19º BPM, tenente-coronel William Araújo, responsável pelo patrulhamento da área do Pina.

Outra medida acertada no encontro foi a realização de um curso de formação sobre racismo institucional para os policiais lotados no 19º BPM. O curso será ministrado pelo Gajop, uma das instituições que integram o Fórum Popular de Segurança Pública.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias