INCÊNDIO

Defesa Civil vai vistoriar três prédios interditados no Recife

Após incêndio, três pensões em imóveis antigos, na Rua da Glória, foram interditados

JC Online
JC Online
Publicado em 31/07/2017 às 6:05
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Após incêndio, três pensões em imóveis antigos, na Rua da Glória, foram interditados - FOTO: Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

O incêndio que destruiu um sobrado na Rua da Glória, na área histórica do bairro da Boa Vista, Centro do Recife, é mais um exemplo do descaso com o patrimônio histórico. Do prédio de nº 375, onde funcionava uma pensão com 15 cômodos e 7 moradores, só sobraram a fachada e as paredes laterais. Outras duas hospedarias vizinhas também estão interditadas. O Corpo de Bombeiros não informou a causa das chamas.

“Vamos fazer uma vistoria mais aprofundada para ver se os moradores dos prédios vizinhos poderão voltar. A pensão atingida pelo incêndio está interditada por tempo indeterminado”, comenta o engenheiro da Defesa Civil do Recife Eraquitan Santana.

No total, as três casas abrigavam 22 pessoas. Segundo a prefeitura, três hóspedes ficaram levemente feridos e receberam atendimento no local, sendo liberados em seguida. Outras três pessoas foram encaminhadas a um abrigo provisório na Travessa do Gusmão, no bairro de São José. Os desalojados receberam cestas básicas e colchões. Os bombeiros tiveram dificuldade para controlar as chamas e realizaram o serviço de rescaldo três vezes, usando 62 mil litros de água, relatou o capitão do Corpo de Bombeiros Aluísio Santos.

Um dos desabrigados é a dona de casa Zilvanete Nunes, 45 anos. Ela morava com o esposo em um dos prédios vizinhos interditados pela Defesa Civil. “A casa que pegou fogo é de madeira. Moro aqui há três anos e nunca vi a prefeitura realizar fiscalização. A pensão onde eu resido é de alvenaria, mas é antiga também. Tenho medo que aconteça de novo”, lamenta.

Os moradores de imóveis antigos da região convivem com o receio de acidentes diariamente. No ano passado, um casarão desabou na mesma via, após fortes chuvas. “Mais acidentes como esse incêndio podem acontecer. É preciso fazer um levantamento dos casarões antigos e acompanhar a situação deles”, relata a dona de casa Regina Oliveira, 45 anos, que mora em uma casa antiga perto do Pátio da Santa Cruz, também integrante do perímetro histórico do bairro.

“Os órgãos responsáveis só se mobilizam depois que o problema já acontece. A Boa Vista vive em estado de alerta constante”, comenta o estudante de turismo Wesly de Araújo, 22, que trabalha em um convento localizado na Rua da Glória.

FISCALIZAÇÃO

A assessoria de imprensa da Defesa Civil do Recife informou, por telefone, que o órgão já realiza o acompanhamento estrutural de 300 prédios nos bairros do Recife, Boa Vista, São José e Santo Antônio, no Centro da capital pernambucana. O órgão vai emitir laudo estrutural em até 10 dias.

Últimas notícias