Acidente

"Ele deveria dar o exemplo", diz mãe de meninos atropelados no Ipsep

Motorista embriagado é funcionário do Detran-PE e já trabalhou na Operação Lei Seca

Larissa Rodrigues
Larissa Rodrigues
Publicado em 28/02/2018 às 7:01
Alexandre Gondim/JC Imagem
Motorista embriagado é funcionário do Detran-PE e já trabalhou na Operação Lei Seca - FOTO: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

Ricardo Jorge, 16 anos, e o irmão Eduardo Henrique, 13, ainda estão assustados. Quase perderam a vida depois de serem atropelados, na noite da última segunda-feira (26), na Praça Mauricéia, localizada no bairro do Ipsep, na Zona Sul do Recife. Os dois estavam com o amigo Kaíque Amaro da Silva, 14, quando o motorista Pablo da Rocha Barbosa, 44, perdeu o controle do carro e os atingiu. De acordo com a Polícia Civil, o homem estava embriagado no momento do acidente. A dupla de irmãos sofreu escoriações e passa bem. Já Kaíque permanece internado, no Hospital da Restauração, área central do Recife, onde passou por cirurgia e segue sem previsão de alta.

O menino quebrou três dentes, rasgou o lábio superior, deslocou a clavícula e quebrou um braço. Os três praticamente nasceram de novo. “Foi tudo muito rápido. Eu estava na bicicleta com Eduardo quando vi o carro avançando. Ainda gritei para alertar Kaíque, mas não deu tempo de ele fugir”, relembrou Ricardo. Além do susto, o que mais chocou os familiares das vítimas foi o fato de o condutor ser funcionário do Departamento Estadual de Trânsito do Estado (Detran-PE) e já ter trabalhado na Operação Lei Seca. “Era para ele dar o exemplo, mas colocou meus filhos em risco com sua irresponsabilidade”, comentou a mãe de Ricardo e Eduardo, a recicladora Gardênia Dislândia Xavier de Souza, 35.

Ela contou como recebeu a notícia do acidente. “Eu estava na igreja e meus meninos chegaram me chamando, relatando o ocorrido. Pediram para que eu fosse até o local, pois não havia nenhum adulto. Quando cheguei, o amigo deles estava embaixo do carro. Fiquei cuidando dele até o socorro chegar. Ele queria dormir, mas pedi que ficasse com os olhos abertos.” A avó de Kaíque, a aposentada Regina Júlia da Silva, 67, foi informada pelos vizinhos sobre o acidente. “Eu pensei que ele tinha morrido. Me desesperei, mas, felizmente, ele está vivo. Bastante machucado, mas vivo”, comentou.

Por meio de nota, o Detran disse que Pablo da Rocha Barbosa trabalhou na Operação Lei Seca e hoje atua internamente, na consulta de placas. Segundo o Departamento, além de perder o direito de dirigir, Pablo vai responder processo criminal e perder o direito de exercer as atividades de agente de trânsito, ficando restrito a função administrativa do órgão. O motorista foi autuado em flagrante na Delegacia de Boa Viagem por crime de alcoolemia e ficou detido aguardando a audiência de custódia. Na tarde de ontem, a juíza Maria da Conceição Bertolini, atendendo à recomendação do Ministério Público, concedeu liberdade provisória a Pablo da Rocha e determinou fiança de R$ 5 mil. Além disso, ele deve comparecer mensalmente à Vara onde vai tramitar o processo; não poderá mudar de endereço ou sair da cidade sem autorização do juiz ou da juíza; não poderá sair de casa a partir das 22h.

DADOS

385.311 mil testes de alcoolemia foram realizados nas blitzes da Operação Lei Seca em Pernambuco, em 2017

384.003 mil motoristas registraram menos de 0,04 miligramas de álcool por litro de ar expelido, margem de tolerância que pode configurar erro no equipamento

1.202 estavam com até 0,33 miligramas de álcool por litro de ar expelido, o que significa que cometeram infração por alcoolemia, sendo submetidos à multa de R$ 2.934,70

106 condutores cometeram crime de alcoolemia, com mais de 0,33 miligramas de álcool por litro de ar expelido

Fonte: Secretaria Estadual de Saúde (SES)

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias