CONSERVAÇÃO DA NATUREZA

PE: área com escritos rupestres pode receber proteção da CPRH

Além da proteção aos sítios arqueológicos, a CPRH quer manter ambientes naturais para que animais em risco possam se reproduzir

Bianca Sousa
Bianca Sousa
Publicado em 09/04/2018 às 18:27
Foto: Reprodução/CPRH
Além da proteção aos sítios arqueológicos, a CPRH quer manter ambientes naturais para que animais em risco possam se reproduzir - FOTO: Foto: Reprodução/CPRH
Leitura:

A criação de um "Refúgio de Vida Silvestre" está sendo avaliado pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e da Agência (CPRH). Sítios arqueológicos, que abrigam registros pré-históricos formados por pinturas e grafismos, entre eles a Serra da Queimada Grande, o Riacho do Leitão e o Sítio dos Leitões, serão beneficiados pelo projeto.

De acordo com os Sistemas Nacional e Estadual de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC e SEUC), a ação tem como objetivo "proteger os ambientes naturais onde se assegurem condições para a existência ou reprodução de espécies ou comunidades da flora local e da fauna residente ou migratória". O gato do mato, que está em risco de extinção, é um dos principais alvos de proteção.

Um dos sítios de destaque é o da Serra (ou Serrote) do Giz, com importantes inscrições de arte rupestre, que inspirou o nome da nova unidade proposta pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente. As áreas da Caatinga também participam da área de conservação. 

Para Samanta Della Bella, "além de promover ações de proteção à biodiversidade, que incluem a gestão, a fiscalização e o monitoramento, outro benefício é a apropriação pela comunidade local desse bem ambiental, além da proteção do patrimônio arqueológico", ressaltou a gerente de conservação da biodiversidade da Semas.

Proposta técnica será apresentada em duas consultas públicas no Sertão do Pajeú

A proposta de criação da unidade de conservação será discutida nesta terça (10) e na quarta-feira (11), no Teatro José Fernandes de Andrade, em Carnaíba, e na Câmara de Vereadores de Afogados, na região do Pajeú.

Uma área de 301,2 hectares da propriedade Sítio Baixa Verde, numa região conhecida como Serra do Giz, nos limites dos municípios de Carnaíba e Afogados da Ingazeira, de grande riqueza da fauna e da flora do Bioma Caatinga é o centro do debate do encontro.

Na reunião serão ouvidas sugestões dos representantes de órgãos públicos, da sociedade civil e da iniciativa privada, ONGs, pesquisadores, empresários, proprietários, sindicatos rurais, além das comunidades e quilombolas da região. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias