MISSA

Dom Fernando Saburido celebra missa fúnebre de vítimas do deslizamento de barreira

Ritual cristão foi realizado na tarde desta quinta-feira (25), em memória de casal de idosos que morreu soterrado

Cleide Alves
Cleide Alves
Publicado em 25/07/2019 às 20:58
Notícia
Foto: Leo Motta/JC Imagem
FOTO: Foto: Leo Motta/JC Imagem
Leitura:

O arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, fez uma convocação à população pobre ao celebrar, na tarde desta quinta-feira (25), ritual cristão para encomendar a Deus os corpos do casal de idosos Natalício Vicente da Silva, 69 anos, e Ivonete Maria da Silva, 63, mortos num deslizamento de barreira no bairro de Passarinho, Zona Norte da capital pernambucana. “Esse é o momento de nos solidarizarmos com a família, mas também é a hora de nos unirmos e lutar pelo direito de todos de viver dias melhores, com a dignidade que merecem”, afirmou o sacerdote.

Durante a cerimônia, realizada na Casa Funerária Baptista, em Santo Amaro, bairro da área central do Recife, ele lembrou que o sofrimento dos parentes e amigos dos dois idosos e das outras 10 pessoas mortas nos desabamentos de barreira, registrados na última terça-feira (23) no Grande Recife, retrata a desigualdade social brasileira. “Vivemos num País com tanta riqueza natural e com tantas desigualdades, muitas famílias precisam morar em áreas de morros, correndo o risco de enfrentar desabamentos e tragédias como essas a cada inverno, e muitas pessoas ainda passam fome”, destacou.

O rito de orações e palavras de conforto, denominado exéquias, começou às 15h, uma hora antes do sepultamento dos idosos no Cemitério de Santo Amaro, localizado a poucos metros da casa funerária. A celebração durou 15 minutos e foi conduzida pelo arcebispo e pelo padre João Crisóstomo, capelão do cemitério. “Convidei dom Fernando e ele aceitou, acho importante porque as pessoas podem ver que a Igreja está perto de todos, sem distinção de classes sociais”, declarou padre João.

“Sabemos que é difícil consolar a família e os amigos pela perda de um ente querido, principalmente em mortes como essas, numa tragédia fruto de uma situação de desigualdade que precisamos enfrentar com coragem, é a fé que nos sustenta”, destacou dom Fernando Saburido. “Faz parte da missão dos governantes estar mais atentos a essas dificuldades para que menos tragédias aconteçam na Região Metropolitana, a água é um bem para todos nós, mas é necessário fazer algo para que ela não chegue a prejudicar dessa forma”, acrescentou o arcebispo em entrevista coletiva após a celebração.

Para ele, mortes por deslizamentos de encostas devem levar a um questionamento muito sério. “O governo vai dizer que não tem condições econômicas de resolver todos os problemas, mas a gente deve lutar por projetos que privilegiem os pobres. A missão da igreja é, também, levar o povo a refletir e a pressionar os governos por políticas públicas que beneficiem as pessoas mais vulneráveis”, salientou.

Foto: Leo Motta/JC Imagem
- Foto: Leo Motta/JC Imagem
Foto: Leo Motta/JC Imagem
- Foto: Leo Motta/JC Imagem
Foto: Leo Motta/JC Imagem
- Foto: Leo Motta/JC Imagem
Foto: Leo Motta/JC Imagem
- Foto: Leo Motta/JC Imagem
Foto: Leo Motta/JC Imagem
- Foto: Leo Motta/JC Imagem
Foto: Leo Motta/JC Imagem
- Foto: Leo Motta/JC Imagem

Conforto

O aposentado Natalício Vicente e a diarista Ivonete Maria viviam há quatro anos e oito meses numa casa na Rua Ageu e morreram soterrados com a chuva forte que castigou a Região Metropolitana. Eles deixam três filhos (dois homens e uma mulher) e três netas. “O arcebispo fez uma homenagem muito bonita para a família e para todos que estavam aqui presentes, foi um conforto na fé”, disse a gestora educacional Andréa Gomes de Lima, cunhada de uma das filhas dos idosos.

Segundo ela, Natalício e Ivonete estavam felizes por terem feito melhorias na residência este ano, como a colocação de cerâmica. “Eles compraram o terreno, que aparentemente não oferecia risco nenhum, construíram a casa e não tinham medo de morar lá. Para os filhos, a barreira que estava atrás da casa era pequena, por isso a gente não se preocupou. O que a gente não observava é que o perigo estava na barreira ao lado, com a chuva o pior aconteceu”, lamentou Andréa.

A terceira vítima do desabamento de encostas no Recife foi sepultada ontem no Cemitério de Casa Amarela. Josafá Barbosa da Costa, 34, era motorista e morava no Córrego do Curió, em Dois Unidos, bairro da Zona Norte.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias