SOLUÇÕES URBANAS

Seminário do SJCC apontou soluções sobre déficit habitacional

Centenas de pessoas lotaram o auditório do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC) para tratar de temáticas como aluguel social, revitalização do centro histórico com moradia e instrumentos urbanísticos voltados para a produção de habitação de interesse social

Ciara Carvalho
Ciara Carvalho
Publicado em 25/09/2019 às 15:55
Foto: Luisi Marques/JC Imagem
Centenas de pessoas lotaram o auditório do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC) para tratar de temáticas como aluguel social, revitalização do centro histórico com moradia e instrumentos urbanísticos voltados para a produção de habitação de interesse social - Foto: Luisi Marques/JC Imagem
Leitura:

O Seminário Soluções Urbanas reuniu, na manhã desta quarta-feira (15), arquitetos, urbanistas, empresários do setor, gestores públicos e organizações sociais para discutir soluções para o problema de déficit habitacional. Centenas de pessoas lotaram o auditório do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC) para tratar de temáticas como aluguel social, revitalização do centro histórico com moradia e instrumentos urbanísticos voltados para a produção de habitação de interesse social. Experiências de várias capitais brasileiras foram compartilhadas, mostrando que o enfrentamento do tema exige respostas múltiplas.
O primeiro painel abordou os “Marcos Regulatórios e Moradias Sociais” e teve a participação do arquiteto Marcelo Ignatios, superintendente de Estruturação de Projetos da SP Urbanismo; de Antônio Alexandre, secretário de Planejamento Urbano do Recife, e do empresário Avelar Loureiro Filho, presidente da ACLF Empreendimentos. O moderador foi o arquiteto e urbanista Geraldo Marinho.

Em sua palestra, Marcelo Ignatios falou do uso dos instrumentos urbanísticos, como a outorga onerosa e o IPTU progressivo, para produção de moradia popular na cidade de Sâo Paulo. Após a aprovação do Plano Diretor, em 2014, a capital já conseguiu entregar cerca de 60 mil unidades de habitação social. “O carro chefe do nosso planejamento da cidade nos próximos 20 anos é reduzir as desigualdade sociais. E a oferta de insteresse social é uma das nossas prioridades”, afirmou Marcelo. Segundo ele, o Fundo de Desenvolvimento Urbano (Fundurb) arrecadou, só este ano, cerca de R$ 500 milhões, só do pagamento de outorga onerosa por parte das construtoras. “30% desse valor vai diretemante para compra de terreno, regularização fundiária e construção de unidades habitacionais”, explicou.

Ao falar sobre o Plano Diretor do Recife, o secretário de Planejamento Urbano do Recife, Antônio Alexandre, informou que também está prevista a criação de um fundo voltado para financiar moradia popular e desenvolvimento urbano. “Definimos que 70% do que for arrecadado será para habitação de interesse social”, explicou o secretário. Já o empresário Avelar Loureiro Filho falou sobre a experiência de produção de moradia na cidade de Paulista. “O segredo lá foi planejamento urbano. A gestão municipal fez a infraestrutura e os investimentos privados criaram uma nova centralidade urbana na cidade”, destacou.

Na segunda rodada de debates, foram apresentadas experiências bem-sucedidas de enfrentamento do déficit habitacional. Matheus Cardoso, empreendedor social e fundador do projeto Moradigna, de São Paulo; falou sobre negócios sociais voltados à população de baixa renda. A Moradigna já realizou mais de 500 reformas e impactou a vida de duas mil pessoas. André Coelho, secretário adjunto de Habitação da Prefeitura de João Pessoa, compartilhou a experiência da Villa Sanhauá, um projeto de recuperação de áreas degradadas no centro histórico da capital paraibana, que aliou moradia e economia criativa. “Não recuperamos só o patrimônio, levamos vida para o centro da cidade. A transformação real só acontecem com as pessoas vivendo na área”, pontuou.

Por último, Antônio Sérgio Ferrari, secretário municipal de Infraestrutura e presidente da Empresa Municipal de Obras e Urbanização de Aracaju, falou da iniciativa da prefeitura de erradicar as palafitas na capital sergipana. “Mais do que receber casas, as famílias tiveram acesso a infraestrutura urbana e viária. Foram 660 famílias beneficiadas”, afirmou. A moderação do segundo painel foi feita por Socorro Leite, da ONG Habitat para Humanidade.

DEBATE SOBRE A CIDADE

O diretor de redação do Jornal do Commercio, Laurindo Ferreira, destacou a relevância do tema da habitação para abrir a série de seminários. “A compreensão do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação é que a nossa função de discutir a realidade e as demandas, principalmente, da sociedade pernambucana, vai muito além daquilo que é o jornalismo factual. Algumas questões, como o déficit habitacional, precisam ser apresentadas de outra maneira e entregues à sociedade em outra perspectiva. A gente não pode se acostumar com essa paisagem, com as pessoas morando em palafitas ou arriscando a vida nos morros e encostas”, afirmou.
A série de reportagens que antecedeu o debate, de acordo com o diretor de redação, priorizou o mergulho em um tema que, muitas vezes, passa despercebido para uma parte da população. “O que a gente tem publicado em imagem, texto e reflexão sobre esse problema mostra a dimensão de uma tragédia cotidiana. A motivação maior será sempre apontar soluções. Essa é a nossa função essencial no debate que estamos travando, não só nas plataformas de jornalismo, como no seminário que promovemos hoje.”

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias