TRÂNSITO TRAVADO

Quarta-feira de trânsito e transtornos para população do Recife por conta do protesto dos enfermeiros

Com a Avenida Agamenom Magalhães parada, várias vias da cidade também ficaram congestionadas

Carolina Fonsêca
Carolina Fonsêca
Publicado em 12/02/2020 às 16:25
Notícia
Foto: Day Santos/JC Imagem
FOTO: Foto: Day Santos/JC Imagem
Leitura:

Profissionais de saúde voltaram a protestar, em frente ao Hospital da Restauração, no bairro do Derby, na área Central do Recife, nesta quarta-feira. Parando o trânsito da Avenida Agamenom Magalhães, um dos principais corredores do trânsito da capital pernambucana, desde às 8h30, a manifestação rende para o Recife trânsito quilométrico e diversas vias congestionadas em consequência do bloqueio da avenida. 

>>> Profissionais de saúde bloqueiam a Agamenon Magalhães pela oitava vez em três semanas

>>> Veja em tempo real engarrafamentos do Recife por conta do protesto dos enfermeiros

>>> As imagens do protesto na Agamenon Magalhães que parou o Recife

Por conta disso, a população enfrenta transtornos e longas horas de espera no trânsito. A empregada doméstica Rosa Gomes, 50 anos, viu seu percurso para chegar no bairro de Barra de Jangada, que normalmente dura 50 minutos, passar de horas e não ter previsão para terminar. “Para vir foi tranquilo, ainda espero conseguir chegar em casa por volta das 18h. Na semana passada minha filha ficou presa no engarrafamento por conta do protesto. Ela desceu aqui (na Agamenon), andou até a Praça do Carmo (no bairro do Santo Antônio, área central da cidade) e pegou o ônibus lá. Mas eu não tenho condições de andar, então tem que esperar mesmo. Essa é a única rota que eu tenho para chegar em casa”, contou. 

Quem trabalha no trânsito viu sua rotina diária se transformar. Para o motorista de ônibus Carlos André, 41 anos, a chegada no terminal parece cada vez mais longe. “Este protesto está pior que os outros. Eu vou até a Joana Bezerra (terminal), a empresa dá duas horas para fazer esse percurso. Mas hoje vai dar umas três horas e meia”, lamentou.

Também preso no trânsito, o aposentado Geraldo Falcão, 73 anos, buscou rotas alternativas em aplicativos e não encontrou. Parado por mais de duas horas dentro do carro, ele refletiu sobre liberdade e direitos. “Dizem que a liberdade é quando você tem direito até um certo limite, quando chega no direito do outro, não é? Aqui eu não tenho direito. É liberdade?”, reclamou. Geraldo estava seguindo para o Hospital Santa Joana, também na área Central do Recife e tinha um compromisso às 16h. “Não sei se vou conseguir chegar”, disse.

>>> Protestos no Recife: numa democracia, todos têm que fazer sua parte

Foto: Day Santos/JC Imagem
Os técnicos e auxiliares de enfermagem realizaram protesto - Foto: Day Santos/JC Imagem
Foto: Day Santos/JC Imagem
A manifestação acontece na Avenida Agamenon Magalhães, no sentido Boa Viagem - Foto: Day Santos/JC Imagem
Foto: Day Santos/JC Imagem
A categoria pede melhores condições de trabalho e de salário - Foto: Day Santos/JC Imagem
Foto: Michele Campelo
A Avenida Agamenon Magalhães está bastante engarrafada no sentido Boa Viagem - Foto: Michele Campelo
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
. O tráfego está lento desde as imediações do Ministério do Trabalho, no bairro do Espinheiro - Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
É a oitava vez em que o grupo realiza manifestação em três semanas - Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
CTTU está no local para auxiliar os motoristas que trafegam pela via - Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
O protesto dura mais de oito horas - Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
O grupo reclama melhores condições de trabalho e salários, além de reposição de 10 anos sem reajuste - Foto: Filipe Jordão/JC Imagem

Nova reunião com o Governo após oito protestos

Ao todo, os manifestantes interditaram a avenida oito vezes, desde o dia 30 de janeiro. As manifestações aconteceram no dias 31 de janeiro, 3, 4, 5 e 7 de fevereiro.

Uma comissão da categoria foi recebida pelo Governo, na tarde desta quarta-feira (12), para discutir as reivindicações dos manifestantes. De acordo com o resultado, o protesto, que teve início por volta das 8h30 e segue até a publicação desta matéria, pode ser encerrado.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias