TORITAMA

Lixo hospitalar é encaminhado para perícia

Tecidos recolhidos durante inspeção feita no fim de semana serão examinados pelo Instituto de Criminalística

Ciara Carvalho
Ciara Carvalho
Publicado em 16/10/2011 às 23:32
Leitura:

Os 15 quilos de tecidos descartados por hospitais norte-americanos e apreendidos como amostra pela Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa) em galpões de uma fábrica têxtil em Toritama e Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste pernambucano, serão encaminhados nesta segunda-feira, ainda pela manhã, ao Instituto de Criminalística de Pernambuco para serem periciados.

O objetivo é comprovar se as manchas encontradas nos tecidos são realmente de sangue e secreções humanas, como desconfiam os técnicos. Confirmada a identificação, a empresa Império do Forro de Bolso (cuja razão social é Na Intimidade Ltda) poderá ser multada em até R$ 1,5 milhão e ser interditada definitivamente por importar lixo hospitalar altamente infectante.

Para o gerente da Apevisa, Jaime Brito, a comprovação de que as manchas são sangue e secreção humana são importantes para o processo sanitário que está sendo aberto, mas já existem provas suficientes de que o proprietário da empresa tinha conhecimento do que estava importando. “Além dos contêineres apreendidos no Porto de Suape estarem em nome da Na Intimidade Ltda, o que encontramos nos galpões da fábrica comprovam isso. O depoimento dos funcionários também. Um deles informou que as partes dos tecidos que tinham as inscrições dos hospitais estrangeiros chegavam a ser cortadas e deixadas de lado, para serem utilizadas na produção de buchas de pano”, explicou.

O proprietário da empresa, Altair Teixeira de Moura - que ainda não foi localizado pelos órgãos que apuram o caso -, também deverá responder criminalmente na investigação da Polícia Federal, além de sofrer punições por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ao importar lixo hospitalar – o que é proibido –, e da Receita Federal.

Na última sexta-feira, um suposto advogado da empresa entrou em contato com a Apevisa para informar o novo endereço da matriz. No entanto, segundo Jaime Brito, momentos depois o mesmo homem avisou que o proprietário estava em Maceió (AL) e não iria se pronunciar.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias