OITO PRESOS

Violência doméstica: Polícia prende homens que descumpriram medida protetiva

A investigação teve início em abril de 2019 com o objetivo de prender agressores que praticaram violência doméstica contra mulher

Ana Tereza Moraes
Ana Tereza Moraes
Publicado em 10/05/2019 às 8:40
Notícia
Foto: Divulgação
A investigação teve início em abril de 2019 com o objetivo de prender agressores que praticaram violência doméstica contra mulher - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

A Polícia Civil de Pernambuco desencadeou na manhã desta sexta-feira (10), a 38ª Operação de Repressão Qualificada do ano, denominada "Libertas". A investigação teve início em abril de 2019, com o objetivo de prender agressores que praticaram violência doméstica e familiar contra a mulher.

A operação é coordenada pela Diretoria Integrada Especializada (DIRESP) e contou com 50 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivãs. Nesta sexta, foram cumpridos oito mandados de prisão preventiva. Os homens foram levados ao Cotel e terão seus inquéritos julgados.

Todos os casos envolvem agressores de mulheres que descumpriram medidas protetivas. A pena para esse tipo de delito é de reclusão de até 3 anos. Além do descumprimento, eles também respondem pela conduta criminosa reincidente, segundo a Polícia Civil. Muitos, ao se aproximar da vítima, voltaram a cometer agressões e ameaças.

Violência contra a mulher

A delegada Polyanne Farias, do DIRESP aponta que houve uma redução no número de mulheres vítimas de homicídio em Pernambuco. Por outro lado, o número de denúncias e solicitações de medidas cresceu, com aumento de 16,25%, segundo Polyanne. "Ou seja, as mulheres estão mais encorajadas", avalia.

"Temos a violência doméstica em diversos aspectos: a física, patrimonial, moral, psicológica, sexual. O recado que queremos passar é que a mulher tem que buscar sair desse ciclo, ela não consegue resolver isso sozinha e isso não é um problema

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias