violência

Beijaço em Olinda é organizado em apoio ao casal que foi levado à delegacia após beijo gay

O evento organizado no Facebook conta com confirmação de mais de 170 pessoas

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 12/02/2015 às 17:18
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
O evento organizado no Facebook conta com confirmação de mais de 170 pessoas - FOTO: Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

Um beijaço está programado para acontecer na noite desta quinta-feira em Olinda, na Região Metropolitana do Recife, em apoio ao casal gay de turistas que acabou na delegacia no município, na noite dessa quarta-feira, após se beijarem, e em apoio ao movimento LGBTT. Intitulado de "Beijaço, beija eu!", o evento organizado no Facebook conta com confirmação de mais de 170 pessoas e terá concentração nos Quatro Cantos.

"A proposta do evento é mostrar a todxs (sic) que o beijo é livre. A rua é livre e nós também. Vamos mostrar que nossa carne é de Carnaval e que nenhum ato/ser homo, lesbo (sic) ou transfóbico passará!", diz a postagem na rede social.

O beijaço está previsto para as 20h30 em frente ao posto policial da Ribeira, onde aconteceu a confusão ontem à noite. Um beijo entre o baiano Magno da Costa Paim, 21 anos, e o seu amigo, o paraense Hector Zapata, 22, acabou em confusão após o casal ser abordado por policiais.

ENTENDA O CASO

Os dois foram levados para a Delegacia de Plantão de Casa Caiada mas, por falta de escrivão, seguiram para a Central de Flagrantes, no Recife. Segundo contam, passaram de vítima a acusados: contra eles foi lavrado um termo circunstanciado de ocorrência (TCO) por atentado violento ao pudor.

Segundo Magno, depois da revista, os policiais se afastaram e a dupla voltou a se beijar. Os policiais então voltaram, perguntaram de onde eles eram e partiram para a agressão. "Deram uma tapa no meu rosto. Perguntaram de onde nós éramos e disseram que, se a gente quisesse se beijar, fosse para a Bahia, porque aqui em Pernambuco não é lugar de veado", contou.

Magno informou que a ação foi feita por quatro policiais. "Estavam com boné laranja e se identificaram inicialmente como policiais do turista. Na Delegacia, mudaram o uniforme e consegui identificar o nome da Rocam", afirmou Magno. "Não fizemos nada demais. Somos amigos e estávamos ficando. O pior é que eles prestaram queixa contra nós, mas na hora de ouvir nossa versão, os policiais da delegacia disseram que nossa ouvida só podia ser feita em Olinda, onde aconteceu o fato. Na hora de ouvir os policiais, não teve problema ser no Recife, mas na nossa vez, não nos ouviram".

Após sair da Central de Flagrantes, a dupla foi ao Insituto de Medicina Legal (IML) para fazer exame de corpo de delito e identificar a agressão. "Não adiantou. O médico apenas olhou pra mim, fez algumas anotações. Não me examinou em nada. Estou com o rosto bastante inchado".

Magno e Hector moram no Rio Grande do Sul e vieram passar o Carnaval em Pernambuco. "Se eu pudesse, voltava para casa hoje mesmo. Não fiz nada demais e nunca passei por um constrangimento desse, em lugar algum. Nos abordaram com muita truculência. Só não volto para casa porque tenho passagem comprada pra depois do Carnaval. Mas deixa uma péssima impressão para Pernambuco", finalizou.

A assessoria de imprensa da Polícia Militar foi procurada para esclarecer o assunto, mas ainda não se pronunciou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias