Violência

Paulo quer prisão 'dentro do rito legal' de PM's que atiraram em jovem em Itambé

Governador deu declaração nesta terça (11) sobre a morte de Edvaldo Alves dos Santos, baleado por PM durante protesto em Itambé

JC Online
JC Online
Publicado em 11/04/2017 às 10:41
Luisa Farias/JC
Governador deu declaração nesta terça (11) sobre a morte de Edvaldo Alves dos Santos, baleado por PM durante protesto em Itambé - FOTO: Luisa Farias/JC
Leitura:

Durante a troca de comando da Polícia Militar nesta terça-feira (11), o governador Paulo Câmara falou a respeito da morte de Edvaldo Alves dos Santos, 22 anos, baleado por um PM no dia 17 de março, durante um protesto na cidade de Itambé, Zona da Mata. Paulo Câmara afirmou que o inquérito deve ser concluído ainda este mês. "Primeiro, a gente lamenta profundamente o falecimento desse jovem. Já cobrei no âmbito da Polícia Militar e da Secretaria de Defesa Social para que a apuração seja concluída, e punir as falhas, não permitindo que episódios como esse voltem a se repetir no nosso estado. Os prazos legais estão na fase final, e esperamos que ainda no mês de abril tenhamos a conclusão dele, e a partir disso, seguir na penalização dos responsáveis", disse.

Leia mais: Saiba os danos que um tiro de bala de borracha pode causar

No mês passado, o governador cobrou a prisão imediata dos responsáveis pelo tiro contra o jovem, afirmando que "iria apurar, prender o responsável e buscar incansavelmente que fatos como esse não acontecam mais". Ao ser perguntado nesta terça sobre a prisão dos policiais envolvidos, Paulo afirmou que deve seguir um rito legal e sem haver pré-julgamentos. "Eu afirmei e continuo afirmando que deve ser apurado, e o que for apurado, nós vamos agir com rigor necessário. Não vamos de maneira nenhuma deixar de apurar e deixar de responsabilizar quem deu causa a isso, agora segue um rito legal, um trâmite legal e isso a gente tem que respeitar, porque não se deve fazer pré-julgamento", finalizou.

Família deverá ser indenizada pelo Estado

Em entrevista ao Passando a Limpo, da Rádio Jornal, nesta terça (11), o Procurador-Geral do Estado, César Caúla, afirmou que uma indenização à família de Edvaldo Alves dos Santos já está sendo estudada. "O governador determinou que a procuradoria estudasse o assunto e procurasse a família, para que por meio de diálogo, se consiga encontrar um meio de reparação adequado, o que já está sendo cumprido", explicou.

Ao ser questionado sobre a prisão dos envolvidos, Caúla afirmou que não há determinação judicial para a detenção dos PMs. "Que eu tenha conhecimento, não há determinação de prisão deles", explicou. O procurador não soube informar se os agentes ainda estão em atuação nas ruas.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias