GUARULHOS

Advogado pernambucano é preso em São Paulo suspeito de aplicar golpes

Segundo a Polícia Federal, pelo menos, 34 pessoas teriam sido vítimas do advogado

Marcelo Aprigio
Marcelo Aprigio
Publicado em 07/10/2019 às 9:14
Notícia
Foto ilustrativa: Pixabay
Segundo a Polícia Federal, pelo menos, 34 pessoas teriam sido vítimas do advogado - FOTO: Foto ilustrativa: Pixabay
Leitura:

Um advogado pernambucano foi preso pela Polícia Federal (PF), nesse domingo (6), no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, suspeito de aplicar golpes contra várias pessoas que buscavam a emissão de documentos de cidadania estrangeira e de revalidação de diploma para profissionais que querem trabalhar fora do Brasil.

Segundo a PF, o advogado Rodolfo José Cottard Giestosa Filho, 33 anos, estava sendo procurado em mais de 190 países, após a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) ativar um alerta contra ele. No momento da prisão Rodolfo desembarcava de um voo que ia de Los Angeles, nos Estados Unidos, para São Paulo.

Rodolfo passou a ser investigado depois que 34 pessoas relataram ter sido vítimas do advogado, que contratado para realizar serviços especializados na emissão de cidadania estrangeira, abertura de empresas no exterior e revalidação de diploma para profissionais formados que desejam trabalhar fora do país.

Segundo as vítimas, o suspeito cobrava entre R$ 6.500 e R$ 9.500 de forma adiantada pelo serviço e, confirmado o pagamento, suspendia o contato com os clientes, não atendendo o celular e bloqueando eles em aplicativos de mensagens.

Em Pernambuco, oito pessoas registraram denúncias contra o homem nas delegacias da Madalena, na Zona Norte do Recife, e de Boa Viagem, Zona Sul. Outras 26 vítimas prestaram queixas nos estados do Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo.

Por meio de nota, a Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Pernambuco (OAB-PE) disse que instaurou um procedimento administrativo disciplinar, que corre sob sigilo, contra o advogado.

Foragido

Ainda de acordo com a PF, o advogado estava foragido desde maio deste ano, quando se mudou para Portugal. Por isso, seu nome foi incluído na base de dados da Interpol no dia 16 de julho. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias