paralisia infantil

Campanha de vacinação contra poliomielite termina nesta sexta

Mais de 12,8 milhões de crianças já foram vacinadas na campanha deste ano

Da Agência Brasil
Da Agência Brasil
Publicado em 05/07/2012 às 14:40
Leitura:

BRASÍLIA – Termina nesta sexta (6) a campanha nacional de vacinação contra a poliomielite, também conhecida como paralisia infantil. Segundo balanço parcial do Ministério da Saúde, até as 11h de desta quinta (5), mais de 12,8 milhões de crianças com idade até 5 anos tinham sido imunizadas contra a doença em todo o país. O número representa 90,57% das crianças brasileiras nesta faixa etária.

A meta é vacinar, até o fim do dia desta sexta, 95% das 14,1 milhões de crianças menores de cinco anos no país, o que totaliza 13,5 milhões de crianças. Encerrada a campanha, continua valendo o calendário básico de doses e reforços nos postos de saúde de todo o Brasil. Os pais, portanto, devem ficar atentos à carteira de vacinação dos filhos.

Das cinco regiões brasileiras, o Sul é a mais próxima de cumprir a meta local de imunização. Até o momento, os estados daquela região atingiram 95,39% de 1,8 milhão de doses pretendidas. O Sudeste vem em segundo lugar, com 93,6% de uma meta de 5,3 milhões de doses, e o Centro-Oeste em terceiro, com cumprimento de 89,5% do objetivo de 1,08 milhão. O Nordeste vacinou 87% de um universo de 4,3 milhões de crianças, e o Norte, 84,7% de 1,5 milhão.

O último caso de poliomielite no país foi registrado em 1989, na Paraíba. Em 1994, o Brasil  recebeu da Organização Mundial da Saúde (OMS) o certificado de eliminação da doença. Embora não haja circulação do vírus no Brasil, neste ano, 16 países registraram casos de paralisia infantil, sendo que em três deles a doença é considerada endêmica: Afeganistão, Nigéria e Paquistão. Para evitar a reintrodução do vírus no Brasil, o Ministério da Saúde decidiu promover a campanha de vacinação. 

A paralisia infantil é uma doença infecto-contagiosa viral aguda que atinge principalmente crianças de até 5 anos. É caracterizada por quadro de paralisia flácida de início súbito, principalmente nos membros inferiores. Sua transmissão ocorre pelo poliovírus, carregado pelas fezes e gotículas expelidas durante a fala, tosse ou espirro da pessoa contaminada. Falta de higiene e de saneamento na moradia, além da concentração de muitas crianças em um mesmo local favorecem a transmissão.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias