OUTUBRO ROSA

Aleitamento materno ajuda a prevenir câncer de mama e enxaqueca

Ao todo, a vida de 20 mil mulheres vítimas de câncer de mama no mundo poderia ser poupada anualmente a partir do incentivo à amamentação.

Editoria de Cidades
Editoria de Cidades
Publicado em 28/10/2016 às 7:39
Leitura:

Muito além de um vínculo afetivo, a amamentação nos primeiros meses de vida do bebê traz uma série de benefícios não só para a criança, como também para a mãe. Entre as vantagens do aleitamento materno para as mulheres está a diminuição do risco de câncer de mama e ovários, além da prevenção de crises de enxaqueca no pós-parto.

Segundo estudos, a cada 12 meses de aleitamento, as chances de aparecimento de um tumor mamário diminuem em 4,3%. “Isso se deve ao nível de estrogênio no organismo da mulher, que não aumenta durante o período”, explica a pediatra Vilneide Braga, coordenadora do banco de leite do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip) e presidente do Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de Pernambuco (Sopepe). Ao todo, a vida de 20 mil mulheres vítimas de câncer de mama no mundo poderia ser poupada anualmente a partir do incentivo à amamentação.

Infográfico

Benefícios da amamentação

O assunto foi tema de uma palestra realizada pela pediatra, na manhã dessa quinta-feira (27), durante o IV Congresso Pernambucano de Pediatria. Os estudos apresentados por ela mostram que amamentar previne o aparecimento de tumores nos ovários, também devido à produção hormonal.

A descoberta mais recente diz respeito a mulheres que, antes da gestação, apresentavam quadros de enxaqueca relacionados ao período menstrual. “Normalmente, na primeira semana pós-parto, a mãe que tem esse histórico apresenta enxaqueca. O estudo foi realizado com mulheres na primeira e quarta semana após o procedimento e comprova a redução do problema”, explica Vilneide.

No estudo, 686 mulheres foram assistidas durante a primeira semana pós-parto. Dessas, 266 possuíam o diagnóstico antes da gestação. A diminuição na recorrência das crises foi de 7,5% entre as que estavam em aleitamento materno exclusivo.

AGENTE PROGRAMADOR

Para os bebês, a amamentação tem reflexos por toda a vida. “O aleitamento funciona como um agente programador, com consequências a longo e curto prazo”, defendeu a pediatra. Números mostram redução na mortalidade infantil e em mortes súbitas. Crianças alimentadas com leite materno durante a primeira hora de vida apresentam redução de 22% no risco de mortalidade neonatal. Se elevado a nível mundial, o aleitamento poderia prevenir a morte de 823 mil crianças menores de 5 anos por ano.

O leite protege o bebê contra pneumonia, infecções do trato respiratório, doenças alérgicas, otite média aguda, diabetes e obesidade. Crianças amamentadas até os seis primeiros meses de vida ainda apresentam 19% menos chance de serem diagnosticados com leucemia.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias