AUMENTO

Sobe para 22 número de casos confirmados de sarampo em Pernambuco

O Agreste concentra o maior número de casos confirmados da doença

JC Online
JC Online
Publicado em 25/09/2019 às 14:11
Notícia
Foto: Filipe Jordão/ JC Imagem
O Agreste concentra o maior número de casos confirmados da doença - FOTO: Foto: Filipe Jordão/ JC Imagem
Leitura:

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) divulgou, nesta quarta-feira (25), que subiu para 22 o número de casos confirmados de sarampo em Pernambuco. Segundo a SES, até a última sexta-feira (20), foram notificadas 698 suspeitas da doença, sendo 202 descartadas e 474 estão em investigação.

Dos casos confirmados, três foram no Recife, seis em Caruaru, oito em Taquaritinga do Norte, incluindo a morte de um bebê de sete meses, um em Frei Miguelinho, um em Santa Cruz do Capibaribe, um em Vertentes, um em Bezerros e um em Toritama. Com exceção da capital pernambucana, os outros municípios com casos confirmados são do Agreste do Estado.

A SES-PE informou também que, em Pernambuco, foram aplicadas 230.877 doses da vacina entre agosto e setembro. No Agreste, região que concentra o maior número de casos confirmados do sarampo, entre janeiro e setembro, 75.677 pessoas foram vacinadas. O órgão informou ainda que o Estado já atingiu uma cobertura vacinal de 95,8% da tríplice viral do público com 1 ano, população que tem mais risco para agravamento da doença.

Imunização

A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba e está disponível de rotina nas salas de vacina dos municípios. A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) ressalta a importância de finalizar o esquema vacinal para evitar casos da doença. A imunização com a tríplice deve seguir o seguinte esquema:

- Crianças entre 6 meses e 11 meses devem tomar uma dose da tríplice viral. Importante ressaltar que essas crianças precisarão seguir o esquema normal de imunização a partir dos 12 meses.   

- Indivíduos de 1 ano a 29 anos de idade: 2 doses da tríplice viral;

- Indivíduos de 30 a 49 anos de idade não vacinados: 1 dose da tríplice viral;

- Profissionais de saúde não vacinados: 2 doses com a vacina tríplice viral independente da idade, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias