Palco

Grupo Magiluth participa do Festival de Curitiba 2020; saiba mais

Pernambucanos levam 'Apenas o Fim do Mundo' à maratona cênica

Márcio Bastos
Márcio Bastos
Publicado em 19/02/2020 às 11:10
Notícia
Cacá Bernardes/Divulgação
Pernambucanos levam 'Apenas o Fim do Mundo' à maratona cênica - FOTO: Cacá Bernardes/Divulgação
Leitura:

O Festival de Teatro de Curitiba, um dos mais tradicionais do Brasil, receberá o Grupo Magiluth em sua 29ª edição, que acontece de 24 de março a 5 de abril. Os pernambucanos integrarão a prestigiada mostra principal, que mais uma vez terá curadoria de Guilherme Weber e Márcio Abreu, com a peça Apenas o Fim do Mundo. A programação do festival, que conta com várias mostras, deve reunir cerca de 400 atrações.

O anúncio foi feito por Guilherme Weber, que explicou um pouco do conceito que guiou a escolha dos espetáculos deste ano. Os curadores partiram da pergunta "O que pode um corpo?" para selecionar espetáculos questionadores que falem sobre o momento conturbado pelo qual o Brasil atravessa. É o caso, além do Magiluth, de Manifesto Transpofágico, de Renata Carvalho, atriz referência no movimento trans brasileiro.

Leia também: Magiluth se propõe novos desafios na peça 'Apenas o Fim do Mundo'

Leia também: Casarão Magiluth: Rua da Glória ganhará novo espaço cultural

Leia também: Magiluth celebra 15 anos com maratona de espetáculos

Leia também: Festival de Curitiba discute problemas da contemporaneidade

A peça que abre o festival é Eu de Você, com Denise Fraga e direção de Luiz Vilaça. De acordo com o texto do curador, o trabalho "ilumina os caminhos dessa edição de 2020 apresentando uma dramaturgia tecida a partir de historias reais recolhidas e materializadas no corpo da intérprete, numa performance popular de alta voltagem e sofisticada elaboração estética. Um peça feita junto com as pessoas do público e que traz diversas reflexões, com emoção, humor e pensamento critico, sobre os sentidos de humanidade nos complexos dias atuais."

Outros nomes que estarão na mostra são a brasileira Marcela Levi e a argentina Lucia Russo, com dois trabalhos que aqui formam um díptico: Deixa Arder e Boca de Ferro; Alice Ripoll, com Cria; Potestad, clássico do teatro argentino contemporâneo, escrita pelo autor Eduardo Pavlovsky, que fala dos desaparecidos na ditadura militar daquele país; Oboró – Masculinidades Negras, com direção de Rodrigo França; 3 maneiras de Tocar no Assunto, escrita pelo ator e autor Leonardo Netto e dirigida por Fabiano de Freitas, a obra se inscreve no real de maneira contundente, entre outros.

CONFIRA O POST COMPLETO DE GUILHERME WEBER:

 

Últimas notícias