PRESIDENTE E FÃ

Star Wars: Obama se vê um pouco no 'rebelde' Han Solo

Apesar de não ter visto o novo filme da saga, ele diz que acompanha os filmes desde a adolescência

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 18/01/2016 às 12:35
Divulgação
Apesar de não ter visto o novo filme da saga, ele diz que acompanha os filmes desde a adolescência - FOTO: Divulgação
Leitura:

WASHINGTON - Se tivesse que ser um personagem de Star Wars, o presidente americano, Barack Obama, disse nesta sexta-feira que seria o piloto espacial Han Solo, que é "um pouco rebelde".

Durante uma entrevista na Casa Branca, o presidente americano declarou que ainda não assistiu a Star Wars: O Despertar da Força, o último episódio da saga espacial, recordista de bilheteria.

Mas ele ainda se lembra de ter visto o primeiro filme da série, seu favorito, quando adolescente.

"O número um, eu ainda me lembro quando assisti", disse Obama. "Eu tinha 14, 15 anos e fui ao cinema Cinerama, logo na esquina da minha casa".

Questionado sobre qual personagem de Star Wars ele gostaria de ser, Obama disse: "Eu ficaria com Han Solo, ele tem algo de rebelde".

Solo é um sarcástico contrabandista e um irreverente e intuitivo aventureiro. Mas ele vive uma história romântica com a Princesa Leia, e sob sua cínica aparência há um grande coração com princípios sólidos.

Obama foi entrevistado por três jovens "criadores" do YouTube, cada um com milhões de seguidores: sWooZie, Destin Sandlin e Ingrid Nislen.

Os três, com evidente admiração pelo presidente, não foram particularmente entrevistadores agressivos, e Obama aproveitou a oportunidade para falar dos temas-chave de seu discurso do estado da União, na terça-feira: controle de armas, terrorismo, luta contra o câncer e a posição dos Estados Unidos perante o mundo.

O presidente também explicou porque carrega vários objetos dados a ele, tanto por desconhecidos como por líderes mundiais, desde que chegou à Casa Branca em 2009.

Obama tirou do seu bolso um rosário que ganhou do Papa Francisco, uma estátua hindu "que uma mulher me deu" e uma cruz copta da Etiópia.

"Eu não sou tão supersticioso", declarou, mas os objetos "me lembram de todas as diferentes pessoas que eu conheci pelo caminho".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias