Premiação

Novo filme de Quentin Tarantino entra na competição de Cannes

'Era uma Vez em Hollywood' entra na lista do concorrentes da Palma de Ouro, principal prêmio do Festival de Cannes, realizado neste mês

Rostand Tiago
Rostand Tiago
Publicado em 02/05/2019 às 9:22
Notícia
Foto: Divulgação
'Era uma Vez em Hollywood' entra na lista do concorrentes da Palma de Ouro, principal prêmio do Festival de Cannes, realizado neste mês - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

O aguardado novo filme do diretor americano Quentin Tarantino, "Era Uma Vez em Hollywood", foi incluído na mostra competitiva do Festival de Cinema de Cannes, anunciou nesta quinta-feira a organização do evento, após as dúvidas iniciais a respeito.

Os organizadores do Festival de Cannes adicionaram mais sete filmes ao programa da edição de 2019, mas nenhum deles na disputa pela Palma de Ouro. Entre os longas-metragens anunciados nesta quinta-feira estão "Lux Aeterna", do diretor franco-argentino Gaspar Noé, que será exibida na mostra "Sessão da Meia-Noite", "Chicuarotes", segundo filme dirigido pelo ator mexicano Gael García Bernal, e "La cordillera de los sueños", do veterano chileno Patricio Guzmán. 

O filme de Tarantino, que tem como protagonistas Brad Pitt e Leonardo DiCaprio, disputará a Palma de Ouro do Festival de Cannes, que começa em 14 de maio, com produções de cineastas consagrados como Pedro Almodovar, Ken Loach e Terrence Malick.

Novo filme

Um dos filmes mais esperados do ano, Era Uma Vez em Hollywood, com duração de 2 horas e 45 minutos, recria a Los Angeles de 1969 sob o olhar de um ator de televisão e seu dublê. Nono longa-metragem de Tarantino, um nome frequente em Cannes, será exibido no festival 25 anos depois da Palma de Ouro concedida a "Pulp Fiction". 

"Temíamos que o filme não ficasse pronto", declarou o diretor do festival Thierry Fremaux, antes de afirmar que Tarantino concluiu o longa-metragem a tempo, depois de passar quatro meses trabalhando na montagem.

"O filme é uma carta de amor a Hollywood de sua infância, uma viagem musical a 1969, além de uma ode ao cinema em sua totalidade", completou Fremaux sobre a produção.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias