GRADUAÇÃO

Cinema pernambucano é sucesso também em curso da UFPE

A graduação em Cinema da UFPE atrai estudantes de todo o Brasil. Dentre os fatores, é possível citar o excelente momento da produção audiovisual local

Valentine Herold
Valentine Herold
Publicado em 05/02/2020 às 18:15
Notícia
Foto: Divulgação
A graduação em Cinema da UFPE atrai estudantes de todo o Brasil. Dentre os fatores, é possível citar o excelente momento da produção audiovisual local - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

Entre expressivas participações em festivais mundo afora e destaques em inúmeras mostras nacionais, o cinema produzido em Pernambuco segue, nos últimos anos, sendo motivo de muito orgulho e atraindo olhares dos outros estados brasileiros. Um dado, revelado nesta quarta-feira (5) em meio às celebrações de centenas de estudantes com o resultado do Sisu 2020, apontou que o curso de Cinema da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) é o que tem a maior procura por alunos de outros lugares em termos percentuais, com 54% dos aprovados.

Esta é uma realidade que vem sido percebida com maior intensidade nos últimos três anos segundo o coordenador interino da graduação, Cid Vasconcelos. Assim como a antiga coordenadora, Fernanda Capibaribe - que está atualmente afastada devido ao pós-doutorado-, ele acredita que o ótimo momento da produção audiovisual pernambucana é um dos fatores para tal fenômeno e que a pluralidade é muito benéfica para a academia. 

"De certa forma, a repercussão que o cinema pernambucano está tendo acaba formando uma vitrine para nosso curso. Embora não haja uma relação tão direta entre a universidade e a produção dos filmes, dá para traçar um paralelo pois muitos dos nossos alunos têm contato com o mercado de trabalho e conseguem estágios em produtoras, então sem dúvidas isso atrai", analisa o professor, que leciona no Centre de Artes e Comunicação (CAC) desde 2012. É também alto o percentual de professores que, além das atividades acadêmicas, atuam dirigindo, roteirizando e produzindo filmes que circulam pelo Brasil.

O curso de Cinema da UFPE é um dos mais recentes da instituição e celebrou, em 2019, 10 anos. Em meio às comemorações, um grande conquista foi alcançada com a inauguração da sala de cinema que fica dentro da universidade. "Essa demanda era antiga e termos conseguido pode ter sido outro atrativo para os novos alunos, é um diferencial", avalia Fernanda. "Os fatos de Pernambuco ter um edital público, o Funcultura Audiovisual, voltado exclusivamente para o cinema e da nossa nota no MEC ter subido de 4 para 5 ano passado também devem ser levados em conta."

Fatores diversos para a procura

A estudante Letícia Bastos, de 22 anos, está prestes a se formar. Ela veio de São Paulo, onde nasceu e cresceu, para estudar Cinema da UFPE em 2016. "O Enem é uma grande porta de entrada que permite essa mobilidade entre os estados. Eu conhecia os clássicos do cinema pernambucano e filmes mais recentes como Tatuagem. Apesar de não pensar tanto em mercado de trabalho na época que tentei o vestibular, a grade curricular do curso da UFPE me atraiu e hoje já conheço muita gente do meio, estou agora filmando um curta fora dos trabalhos da faculdade."

Aluno da primeira turma de Cinema da UFPE, Vitor Lima conta que, quando entrou no curso, não havia estudantes de outros estados. "Acredito que o trabalho dos cineastas, como o de Kleber Mendonça Filho, contribuiu muito com a divulgação no cenário nacional. Quando eu estava no início da faculdade, ele veio na minha turma para dar palestras. Não tinha lançado nenhum longa-metragem ainda, era 2009, mas já trabalhava na área e tinha os curtas", conta. 

É impossível, portanto, apontar apenas um ou dois fatores isolados que resultam nesta alta procura de estudantes de todo o Brasil para a UFPE. São diversos atrativos, que incluem atividades curriculares da universidade e a efervescência da produção vinda do Estado. Pernambuco sempre fez parte das vanguardas cinematográficas, desde o Ciclo do Recife, nos anos 20, até os dias de hoje, com o sucesso dos filmes de cineastas como Kleber Mendonça Filho (dos filmes Bacurau e Aquarius e que atualmente está compondo o júri da 70ª edição do Festival de Berlim), Cláudio Assis (Amarelo Manga, A Febre do Rato), Camilo Cavalcante (A História da Eternidade), Renata Pinheiro (Amor, Plástico e Barulho) e atores como Irandhir Santos, Hermila Guedes, Jesuíta Barbosa, Renato Goes e Fabiana Karla.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias