Sophia Abrahão: da 'rebeldia' para o comando do 'Vídeo Show'

Apresentadora conversa com o JC sobre a carreira e os desafios à frente do vespertino da Globo

Foto: Chico Cerchiaro/Divulgação
Apresentadora conversa com o JC sobre a carreira e os desafios à frente do vespertino da Globo - FOTO: Foto: Chico Cerchiaro/Divulgação

Modelo, atriz, cantora e atualmente apresentadora do Vídeo Show, na TV Globo, Sophia Abrahão mostra ter muitas vivências ao longo de 27 anos de vida. No papo com o Jornal do Commercio, ela fala sobre carreira, a pressão por audiência no vespertino e sua relação como “digital influencer”.

ENTREVISTA // SOPHIA ABRAHÃO

JORNAL DO COMMERCIO – Sophia, além de atriz, cantora e apresentadora, você se considera uma digital influencer ou esse rótulo te assusta?
SOPHIA ABRAHÃO – Eu não diria uma digital influencer. Acho que isso demanda um olhar mais analítico e voltado totalmente para o business das redes sociais. É uma das minhas vertentes muito fortes, claro, não posso negar isso, e me empenho para enviar mensagens importantes para aqueles que me seguem, mas tem muita descontração e momento pessoal meu, no qual não estou visando curtidas ou comentários. Fora que uso mais as redes sociais para manter um contato próximo com os meus fãs, que são muito importantes para mim, do que apenas como ferramenta de trabalho.

JC – Seu primeiro papel na TV – a Felipa, de Malhação – acabou de completar dez anos. Quais eram os teus anseios com a carreira artística naquela época?
SOPHIA – Naquela época eu ainda estava descobrindo a carreira artística, então tinha um olhar muito cru para a profissão. Eu me descobri amando o que estava fazendo e o meu objetivo na época era continuar a atuar, simples e puramente isso. Com o tempo, quis me desafiar cada vez mais na profissão, seja em uma personagem totalmente diferente ou em outra vertente artística.

JC – Qual a importância que a novela Rebelde, da Record TV (e a banda Rebeldes), tem na tua trajetória?
SOPHIA – O trabalho em Rebelde foi um divisor de águas na minha carreira, com certeza. Eu já trabalhava no meio artístico há alguns anos, tinha atuado em novelas, então tinha um senso de responsabilidade profissional muito acentuado, mas foi com esse trabalho que tudo mudou. A exposição foi enorme e também aprendi a lidar com diferentes formas de trabalho; foi nesse momento que tive um contato mais profissional com a música, por exemplo. Foi uma época em que gravávamos a novela de segunda a sábado e domingo saímos para a turnê, para na segunda de manhã estar novamente nos estúdios, ou seja, uma loucura! (risos) Mas sou muito grata pelo projeto, fui muito feliz na novela.

JC – Sua última empreitada no mundo da música foi o EP Dance!. Quais os teus planos para esta área?
SOPHIA – Eu estou com alguns projetos musicais acontecendo, mas está em uma fase muito embrionária, não posso abrir muito. A carreira como cantora é algo que meus fãs estão sempre pedindo por novidades, mas acontece de forma paralela à carreira como apresentadora, pois hoje além do Vídeo Show tomar muito do meu tempo, o meu foco é na apresentação.

JC – Sua história com o Vídeo Show começou em fevereiro de 2017. Era uma vontade sua ficar ou a oportunidade te surpreendeu?
SOPHIA – A surpresa que eu tive foi quando me convidaram para cobrir as férias do Otaviano Costa, depois quando tive contato com a área, me apaixonei e claro quis ficar. Então cobri as férias do Joaquim Lopes e, depois, passei a revezar a bancada com eles, até que o Joca saiu para a novela e eu permaneci como fixa no programa. Hoje fico extremamente feliz pela oportunidade, pois eu me redescobri na profissão, sob os olhos de apresentadora e tenho buscado crescer cada vez mais.

JC – Muito antes de você chegar, o Vídeo Show vem sendo pressionado em função da audiência. Como você lida com a cobrança e as constantes reformulações?
SOPHIA – O Vídeo Show é um programa que está há 35 anos, é natural que mudanças estejam em seu DNA. Tenho muito orgulho de estar hoje nesse programa que sempre admirei e por onde já passou tanta gente incrível. Lidar com cobranças é algo natural em qualquer ambiente de trabalho, então tenho em mente que todos estamos fazendo o nosso melhor para levar diversão e qualidade para o público.

JC – O programa agora está sendo comandado por três mulheres, num momento em que se fala bastante do poder feminino em várias vertentes. Como isto soa representativo para você?
SOPHIA – Eu acho extremamente importante que nós, mulheres, possamos conquistar o nosso espaço cada vez mais. E não digo somente olhando o lado artístico, mas analisando o mercado de trabalho de uma forma geral. A representatividade é um dos passos essenciais para que a sociedade possa de fato mudar. O Vídeo Show tem uma equipe feminina muito grande e saber que estou em um ambiente de trabalho que valoriza todos os funcionários, independente de seu gênero, é fundamental para que eu consiga continuar produzindo bons resultados.

JC – Você tem saudade de atuar?
SOPHIA – Eu tenho uma nostalgia, sim, quando lembro das novelas e filmes que fiz, mas hoje a carreira como apresentadora tem me realizando demais! Eu amo atuar e não descarto a possibilidade de volta, mas atualmente a apresentação tem sido o meu foco e quero crescer cada vez mais na área.

JC – Você não tem fãs, tem Tirulipos. Até que ponto a relação com eles interfere diretamente no teu trabalho?
SOPHIA – (Risos) Pois é, os meus fãs são bem intensos. Eu acredito que eles cresceram junto comigo, sabe? Iniciamos juntos, e bem novinhos, em Malhação, crescemos em Rebelde e hoje temos um relacionamento mais maduro. Tenho um papo muito direto com eles, quando começa a interferir demais na minha vida pessoal, converso na boa. Eles entendem. Eles influenciam diretamente no meu trabalho. Faço o que faço por dois motivos: amo a minha profissão e faço pelos meus fãs.

JC – No mundo atual, o que você dá “like” e “dislike”?
SOPHIA – Eu dou like em igualdade, sororidade, amor e na empatia. Dou dislike, com certeza, na violência, corrupção, machismo e homofobia.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias