'Estigma que tenho que lidar', declara Fábio Assunção sobre uso de drogas

Em entrevista ao Conversa com Bial, Fábio Assunção sobre prisão no sertão pernambucano

Foto: TV Globo/Reprodução
Em entrevista ao Conversa com Bial, Fábio Assunção sobre prisão no sertão pernambucano - FOTO: Foto: TV Globo/Reprodução

Lutar contra o estigma da passagem por uma dependência química é desafiador para qualquer adicto. Para uma pessoa pública, é ainda mais difícil. E Fábio Assunção chama atenção para o estereótipo que fazem de um ex-usuário de droga.

"Para mim, esse assunto já foi, estou em outra fase. Mas é um assunto muito recorrente e tem uma coisa do estigma que tenho que lidar", confessou o ator em entrevista no programa "Conversa com Bial" nesta quarta-feira (31).

Fábio Assunção disse que tinha uma relação muito ruim com as drogas. "Já tive uso exagerado e uma relação obsessiva. Uma coisa que pode acontecer com qualquer um. Você não sabe se o uso recreativo de alguma coisa pode levar a isso", ressalta.

Prisão em Arcoverde

No ano passado, o ator foi preso em flagrante na cidade de Arcoverde, no sertão de Pernambuco, sob acusação de dano qualificado ao patrimônio público, desacato a autoridade, desobediência e resistência à prisão. Ele estava comemorando o fim das filmagens do documentário "Eu Sonho Para Você Ver", no qual foi diretor, quando o fato ocorreu. "Saí para fazer xixi lá fora, alguém chegou e teve uma discussão, briga. Levei três chutes na cara, rolei um barranco, as pessoas filmando", lembra

Fábio Assunção se recusou a ir para o hospital com medo de ainda mais exposição. "Uma pessoa da UTI saiu para me filmar. Saí do hospital completamente desesperado. A gente chamou a polícia e ela achou que teria alguma confusão. Obviamente saí do tom, não tratei a polícia com respeito, gritei com eles. Imediatamente fui algemado. Foi uma coisa muito violenta. Reagi e foi tudo errado", confessa.

Depois desse episódio, Fábio Assunção virou meme com o termo 'sextou', tão conhecido dos internautas quando chega uma sexta-feira. O filho do ator, João, o ajudou a lidar com o assédio na internet. "Conversei com meu filho, falei que estava pensando em processar um deles e ele disse: 'pai, não faz isso não, é zoeira'. Vi que estava pegando pilha, levando a sério. Daqui a pouco alguém toma um porre na sexta e vou perder o título", avalia, com bom humor.

Aos 47 anos, o ator está empolgado com o papel de diretor e esbanja autoestima ao falar da idade. "Não trocaria minha idade atual pelos meus 20 anos", concluiu.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias