Por pouco, Marina Ruy Barbosa e marido quase embarcam em avião que caiu na Bahia

A atriz global tinha um compromisso, por isto não conseguiu embarcar no voo

Foto: Reprodução/Instagram
A atriz global tinha um compromisso, por isto não conseguiu embarcar no voo - FOTO: Foto: Reprodução/Instagram

A atriz Marina Ruy Barbosa e seu marido, o piloto Xande Negrão, quase embarcaram no avião que caiu na última quinta-feira (14), no distrito de Barra Grande, em Maraú, Baixo Sul da Bahia. Por conta dos compromissos profissionais que não poderiam ser adiados, a atriz não pôde embarcar naquele voo.

Segundo informações, a atriz da TV Globo tinha sido convidada pelo ex-piloto da Stock Car, Tuka Rocha, de 36 anos, e por Maysa Marques Mussi, 27, que morreram dias após o acidente. A jornalista de 37 anos, Marcela Brandão Elias, morreu carbonizada na tragédia. Outras sete vítimas estão internadas.

Compromisso de Marina Ruy Barbosa

A atriz global é garota-propaganda de uma marca de roupas e não viajou na quinta-feira (14) por conta do lançamento da nova coleção da empresa no Recife, em Pernambuco, na data da viagem. Quando soube da viagem, Marina ficou estarrecida pelo ocorrido com a perda dos amigos e por saber que estaria no voo, podendo ter sido uma das vítimas da tragédia.

Homenagem

Na última segunda-feira (18), Marina foi às redes sociais para prestar uma homenagem aos amigos Tuka Rocha e Maya Mussi. No Instagram, a atriz compartilhou registros do seu casamento, que tinha Tuka como um dos convidados.

Confira a publicação

Ver essa foto no Instagram

Tuka e Maysa e Marcela, espero que aonde vocês estiverem sintam toda essa energia, carinho, amor e saudade que todos nós estamos sentindo! Nós amamos vocês, muito, muito, muito... ???? “A morte não é nada. Eu somente passei para o outro lado do Caminho. Eu sou eu, vocês são vocês. O que eu era para vocês, eu continuarei sendo. Me deem o nome que vocês sempre me deram, falem comigo como vocês sempre fizeram. Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas, eu estou vivendo no mundo do Criador. Não utilizem um tom solene ou triste, continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos. Rezem, sorriam, pensem em mim. Rezem por mim. Que meu nome seja pronunciado como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo. Sem nenhum traço de sombra ou tristeza. A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado. Porque eu estaria fora de seus pensamentos, agora que estou apenas fora de suas vistas? Eu não estou longe, apenas estou do outro lado do Caminho... Você que aí ficou, siga em frente, a vida continua, linda e bela como sempre foi.”

Uma publicação compartilhada por Marina Ruy Barbosa (@marinaruybarbosa) em

Marina era amiga próxima de Maysa. A jovem se casou em setembro com Eduardo Mussi, no Sul da Bahia. O marido dela, que é irmão do deputado federal licenciado Guilherme Musse, está internado no Hospital Geral do Estado (HGE). Marina Ruy Barbosa foi madrinha do casamento de Maysa.

Marina e Xande estiveram no enterro de Tuka Rocha que aconteceu na manhã desta terça-feira (19), no Cemitério do Morumbi, em São Paulo. O casal esteve no local por volta das 10h.

Entenda o caso

Um avião bimotor Cessna 550 pertencente ao banqueiro José João Abdalla Filho, o Juca Abdalla, sofreu um acidente na tarde da última quinta-feira (14), quando tentava pousar na pista de um resort localizado na praia de Barra Grande, em Maraú, no sul da Bahia.

Confira o vídeo

Momento do acidente

Segundo a prefeitura de Maraú, a aeronave pegou fogo. O choque com o solo ocorreu por volta das 14 horas. 

Dono do Banco Clássico, Juca Abdalla é apontado como um dos homens mais ricos do Brasil. A Agência Brasil entrou em contato com o Banco Clássico, que não forneceu nenhuma informação sobre a aeronave ou sobre o paradeiro do proprietário.

De acordo com o Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), o bimotor prefixo PT-LTJ registrado em nome de Abdalla foi fabricado em 1981, adquirido em agosto de 2015, e estava com o certificado de aeronavegabilidade em situação regular. Registrado para realizar serviços aéreos privados, não pode ser utilizado como táxi-aéreo comercial.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias