A dificuldade dos nordestinos para expor na Comic Con Experience 2019

Os custos para os expositores do Nordeste na grande feira geek em São Paulo chegam perto dos R$ 6 mil

Foto: Karol Albuquerque/JC
Os custos para os expositores do Nordeste na grande feira geek em São Paulo chegam perto dos R$ 6 mil - FOTO: Foto: Karol Albuquerque/JC

Enquanto a mesa do paraibano Paulo Moreira precisou que o staff da Comic Con Experience 2019 organizasse uma fila, alguns outros ilustradores nordestinos recebiam um público um pouco mais modesto. Os custos para quem chega da região na grande feira geek em São Paulo chegam perto dos R$ 6 mil.

A ilustradora piauiense CGominha, 23 anos, expõe na CCXP pela segunda vez. Antes, participou três vezes como visitante. Agora, para expor, ela pagou R$ 400. "Acho que a pior parte para todo nordestino que eu vejo reclamando é a passagem. Eu conheço outros artistas de lá, além de mim, que pagaram R$ 1.200 de passagem de ida e volta para vir de lá", disse.

A soma ainda conta com o que os artistas precisam produzir para vender. Mas, ela reforça mais uma vez que o peso maior é a passagem, já que ilustradores do Sul-Sudeste têm opções mais baratas de transporte. O custo a preocupa não apenas pelo próprio trabalho, mas também por causa da diversidade.

"Seria legal algum tipo de incentivo, porque se não vai haver uma hora que vai ter pouca gente do Norte-Nordeste e, consequentemente, menos diversidade. O bom do artists alley é ter artistas de diferentes regiões, com traços diferentes e cultura diferente que agreguem no quadrinho e no trabalho que a gente faz. E isso seria cada vez mais interessante", acrescentou.

Custo elevado

A pernambucana Mari Ilustra expõe na CCXP pela primeira vez e concorda que o custo realmente pesa. Para tentar reduzir os valores gastos, ela mandou a gráfica enviar seus produtos direto para São Paulo, levando consigo do Recife apenas materiais menores. Mas, a volta é o que a deixa atenta.

"Espero não precisar voltar com muita coisa. A expectativa é que eu venda bastante, então vai dar certo", disse Mari. Enquanto a feira apenas começou, a pernambucana já se delicia com a resposta do público, o que faz com que o investimento seja recompensado.

"O investimento que a gente faz acaba retornando, tanto pessoalmente como financeiramente. É muito bom ver pessoalmente quem apoia o seu trabalho. No final das contas, é tudo muito massa", concluiu Mari Ilustra.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias