Xirumba e Toinho Melcop fazem primeira exposição juntos

Dois olindenses com décadas na fotografia

Foto: Leo Motta/JC Imagem
Dois olindenses com décadas na fotografia - FOTO: Foto: Leo Motta/JC Imagem

Os fotógrafos Xirumba e Toinho Melcop são dois olindenses que fazem jus ao surrado termo “ícone”. Ambos são ícones da Marim dos Caetés tanto quanto o Homem da Meia-Noite. Aliás, Xirumba deve ser o único fotógrafo a ter tirado uma foto de uma dupla de Homens da Meia-Noite: “Foi sorte minha. Naquele ano Julião das Máscaras, que fazia o Homem da Meia-Noite, estava construindo um novo para substituir o do ano anterior. Então neste dia saíram os dois ao mesmo tempo e eu fotografei”, explica Xirumba esta duplicidade do mais famoso boneco gigante de Olinda. A foto dos dois Homens da Meia-Noite estará na exposição que ele e Melcop abrem amanhã no bar O Barril, na Rua Joaquim Nabuco, nº5, no Largo do Varadouro.

A dupla trabalha com fotografia há décadas. Xirumba desde os anos 60, Melcop a partir do início dos anos 70. São amigos também há décadas, mas esta é a primeira vez que dividem exposição. “Há muito tempo eu pensava numa mostra de fotos com Toinho. Quem sugeriu que a gente fizesse foi Zé Carlos Viana (artista plástico falecido em agosto de 2019), então essa exposição será também uma homenagem a ele”, diz Xirumba, que é homenageado no frevo-canção Massa Real Madri, de Carlos Fernando: “Xirumba-bá. Jêjererê/ Amin sem Dadá Cafi com você”, sucesso de Alceu Valença, no álbum Leque Moleque.

NATUREZA

Toinho Melcop diz que a exposição enfatiza belezas naturais, de lugares paradisíacos do Nordeste, as praias de Canoa Quebrada, Lençóis, Penedo, Porto do Mangue, no litoral do Rio Grande do Norte. “A gente selecionou 30 fotos, de um acervo que nem tenho ideia de quantas tem. Estão nas dimensões de 30 cm por 50 cm . Elas ficam no Barril até perto do Carnaval, mas a exposição não termina aí. A gente vai substituir as fotos por outras que mostram o Carnaval, agremiações, foliões, ruas de Olinda”, diz Melcop. Xirumba, diz que das das intenções é reforçar a ideia de fotografia como obra de arte, que vem fazendo desde os anos 60, tanto que as seis fotos em preto e branco que incluiu são da década de 60.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias