CARNAVAL

Banda Eddie comemora 30 anos em show no Rec-Beat

Grupo que nasceu em Olinda tem o Carnaval no sangue, como mostrou no show do Paço Alfândega na noite desta segunda-feira.

Ernesto Barros
Ernesto Barros
Publicado em 05/03/2019 às 4:23
Analise
Hannah Carvalho/Rec-Beat/Divulgaçãol
Grupo que nasceu em Olinda tem o Carnaval no sangue, como mostrou no show do Paço Alfândega na noite desta segunda-feira. - FOTO: Hannah Carvalho/Rec-Beat/Divulgaçãol
Leitura:

O calor do Carnaval de Olinda esquentou o Rec-Beat na madrugada desta terça-feira (4/3), que não ficou fria em momento algum, apesar da chuva fina que prometia engrossar, mas que não passava de um sereno. Não foi nenhuma surpresa, ao contrário, era mais do que esperado que o Original Olinda Style iria ser a marca da terceira noite da 24ªa edição do festival organizado por Antonio Gutierrez.

Afinal, a história da banda Eddie se mistura com a do Rec-Beat. Há 10 anos sem tocar no festival - embora tenha feito sete participações em 14 anos - e no auge dos 30 anos de carreira -, a banda capitaneada por Fábio Trummer fez um um show que uniu gerações e lotou todo o Paço Alfândega.

Nascida em Olinda, A Eddie - que tem Fábio como único remanescente da formação original - sempre teve um set list carnavalesco. Com os anos, claro, o caldo foi engrossando e hoje, com alguns alguns clássicos do frevo e outras ousadias rítmicas, como adaptar boleros para o folião dançar agarradinho, a Eddie faz uma hora de Carnaval na maior tranquilidade.

SET LIST DE CARNAVAL

Para os fãs de primeira hora e que acompanham a bande desde sempre, os hits Quando a Maré Encher, Pode me Chamar, Bairro Novo/ Casa Caiada, Vida Boa e Girando o Mundo levantaram a poeira às margens do Capibaribe, bem onde, um dia, um boi voou para a margem das Martins de Barros.

O samba Lealdade, de Wilson Batista e Jorge de Castro, um clássico romântico, já pertencente ao repertório da Eddie, no Carnaval ganha uma roupagem que sempre deixa o público balançando o esqueleto na maior felicidade. O forro-frevo Pra Tirar Coco, de Messias Holanda, morto há menos de um ano, foi outro hit que deixou os fãs da Eddie pulando sem parar.

E como o Carnaval obriga, não faltaram clássicos que unem Olinda e Recife num só carnaval, como É De Fazer Chorar, de Luiz Bandeira, e o Hino do Elefante de Olinda, de Clídio Nigro e Cloves Vieira. Mas, o que seria um show de Eddie sem a presença de Erasto Vasconcelos, revivido mais uma vez em Guia de Olinda e O Baile Betinha. E o melhor é que a Eddie vai comemorar os 30 anos da banda o ano todo.

Últimas notícias