CULTURA POPULAR

História do MCP é relembrada em seminário

Evento acontece no Museu do Estado nesta segunda e terça (31/3 e 1º/4) com membros e fundadores do movimento

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 29/03/2014 às 5:24
Leitura:

Além da repressão e da tortura que ainda viriam, o golpe militar de 1964 também significou a interrupção de muitos projetos e sonhos. Um deles foi o Movimento de Cultura Popular (MCP), abruptamente encerrado pelos dois tanques de guerra que invadiram sua sede, no Sítio Trindade, logo após a tomada do poder pelos militares. Para marcar os 50 anos do fechamento forçado do movimento, a Fundarpe e o Ministério da Cultura (MinC) organizam, na segunda e terça-feira (31/3 e 1º/4), o seminário Movimento de Cultura Popular: um sonho interrompido, uma história recorrente, no Museu do Estado.

O evento reúne membros e pesquisadores do MCP, como o fundador Germano Coelho e o artista plástico Abelardo da Hora. Os debates começam a partir das 19h, com entrada gratuita, mediante inscrição. As vagas, 80 no total, já se esgotaram, mas os interessados podem entrar na lista de espera por e-mail (inscricoes.seminariomcp@gmail.com) indicando nome e profissão ou a instituição em que estuda.

Com a ideia de que a cultura e a educação deveriam ser emancipadoras, o MCP nasceu em maio de 1960 buscando não só alfabetizar jovens e adultos como também propor pesquisas sobre a cultura popular. Encabeçado por Germano Coelho e o educador Paulo Freire, reuniu ao longo de sua trajetória nomes como Francisco Brennand, Ariano Suassuna, Hermilo Borba Filho, José Cláudio, Aloísio Falcão e Luiz Mendonça.

Leia matéria completa no Jornal do Commercio deste sábado (29/3).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias