Disco

Carlinhos Brown tentando afinar o coro dos descontentes

Percussionista baiano lança 15º disco, com participação dosfilhos

José Teles
José Teles
Publicado em 19/03/2016 às 6:00
foto: divulgação/Henriqueta Alvarez
Percussionista baiano lança 15º disco, com participação dosfilhos - FOTO: foto: divulgação/Henriqueta Alvarez
Leitura:

"Nós somos hoje uma nação de desafinados. Mas de desafinados que não têm um coração. Eu nasci há 53 anos, quase 54, abaixo da linha da pobreza, corri atrás, e eu não posso reclamar. Meu pai era pintor de parede, minha mãe, lavadeira, não tínhamos condição, nós fugimos da estatística de morrer de inanição, então eu digo, calma, calma", Carlinhos Brown desvia o rumo da entrevista sobre o novo disco, ARTEFIREACCUA ­ Incinerando o Inferno (Independente), para comentar o tempo nublado que paira sobre a nação. Sem tomar partido, atribui os ataques pessoais à presidente Dilma mais como fruto da misoginia do que de ideologia, e volta ao disco para o qual buscou inspiração nos quatro elementos básicos, ar, fogo, terra, ar. Ele passou o ano de 2015 burilando as composições, que chegam às lojas virtuais no dia 25.

O disco, por pouco, não se chamou Ruidinho Nu, que ele canta com a filha Clara Holanda e que compôs para a filha Leila (homenagem a Leila Diniz, para atender a Marieta Severo, avó da menina). ARTEFIREACCUA é um trabalho em família. Além de Clara, tem a participação de seus irmãos Chico e Miguel:

"Houve uma escolha espontânea dos meus filhos pela música, não forcei em momento algum. Claro, Chico escolheu a guitarra como seu instrumento, teve grandes professores no Rio de Janeiro para isso. Mas todos eles são multi­instrumentista, tocam piano, violino, guitarra, bateria. São bastante estudiosos, mas isso condiz com esta geração linda de grandes músicos. Meu mestre Caetano tem o Tom e Zeca, dois grandes músicos, os filhos de Gil, um pouco mais velhos, também, isso é lindo porque realiza todos nós. O fato de ver meus filhos, como os filhos dos meus mestres, reforça a cada dia que a certeza de a minha escolha foi certa. Escolhi a MPB para ser minha vida, não me arrependo, porque eu encontro os mundos na miscigenação popular brasileira", revela Brown.

O 15º álbum solo de Carlinhos Brown tem dez canções autorais e inéditas, mais uma faixa instrumental percussiva, abrindo o repertório. Faz parceria com Jorge Vercilo (Ocaso), o espanhol David Bisbal (Dia Iluminado), e Arnaldo Antunes (Pra Vizinho Olhar). Brown assume a produção e a direção musical num disco de um único convidados (sem contar os filhos), Arnaldo Antunes, que declama o poema Repertório de Felicidades, inserido na canção Dois Grudados, escolhida como single de divulgação do disco. Uma canção romântica candidata ao sucesso, como Amor I Love You, lançada por Marisa Monte:

"Adoro fazer músicas com teor romântico, mas com esse teor de que o amor não é apenas entre parceiros, mas amor por tudo que se move. Eu tinha escrito uns versos, mas, poxa, ficar recitando não me parecia boa ideia. Chamei meu compadre. Arnaldo arrasou", comenta sobre a canção que lançou ao vivo no programa The Voice Brasil, da TV Globo, do qual é um dos jurados.

(leia matéria na íntegra na edição de hoje do Jornal do Commercio)

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias