Meme

Keanu Reeves vira sensação na internet com atitudes 'desconstruídas'

Ator tem sido apontado como o oposto da masculinidade tóxica

Márcio Bastos
Márcio Bastos
Publicado em 02/07/2019 às 14:21
Notícia
Divulgação
Ator tem sido apontado como o oposto da masculinidade tóxica - FOTO: Divulgação
Leitura:

Já faz algum tempo que a internet encontrou um muso para idolatrar sem peso na consciência: Keanu Reeves. Este ano, especificamente, o ator parece ter conquistado os corações dos internautas com uma mitologia crescente em torno de sua vida pessoal. Há de teorias de que ele seria imortal à afirmação de que o artista seria o protótipo do homem ideal, longe da masculinidade tóxica. Não à toa, está sendo chamado de “Namoradinho da Internet”.

Um dos rostos mais conhecidos do cinema com participações em blockbusters desde os anos 1990, a exemplo de Velocidade Máxima (1994) à trilogia Matrix, iniciada em 1999, Keanu sempre manteve sua vida pessoal resguardada. Apesar de ser um símbolo sexual desde o início de sua vida adulta, seu status como “crush” começou a se desenhar com uma foto nada glamourosa.

Em 2010, um paparazzo clicou o astro libanês (ele nasceu no Líbano, mas tem cidadania canadense) sozinho, comendo um sanduíche, em um banco de um parque. Com expressão abatida, ele gerou comoção na internet e se transformou em um meme. A imagem gerou até a criação do Cheer Up Keanu Reeves Day, celebrado dia 15 de junho, em um esforço coletivo de “animar” o ator.

Notícias sobre eventos trágicos da vida do ator começaram a ser associadas à fotografia, como espécies de indícios de seu sofrimento. Em 1999, ele e sua então namorada Jennifer Syme esperavam o primeiro filho quando, aos oito meses de gestação, receberam a notícia de que a criança estava morta no útero. O casal se separou algum tempo depois, mas Jennifer entrou em depressão profunda, morrendo em um acidente de carro alguns anos depois, após dirigir medicada. A morte da ex-namorada afetou muito Keanu, que adiou as gravações das sequências de Matrix para cuidar de sua saúde mental.

Apesar de se declarar alguém solitário, Keanu não abraçou a imagem soturna que criaram. Quando lançou o livro Ode To Happiness (Ode à Felicidade, em português), muitos perguntaram se tinha traços autobiográficos. Ele afirmou que pelo contrário: a ideia surgiu quando ouviu uma música deprimente no rádio e, com amigos, resolveu brincar com esse fetiche em relação à tristeza.

Desde então, outras imagens comoveram os internautas: Keanu deitado no chão enquanto conversava com uma pessoa em situação de rua; Keanu andando de metrô e cedendo seu lugar para uma mulher que carregava uma bolsa pesada. Enfim, o ator virou sinônimo de gentileza e longe da imagem de inacessível dos astros hollywoodianos.

Recentemente, viralizou uma série de imagens nas quais ele aparece com fãs mulheres e, em todas as fotos, percebe-se que ele não encosta as mãos nelas, o que foi visto como um sinal de respeito. Em tempos de #MeToo, foi um recado bem-vindo. A euforia em torno de suas atitudes, inclusive, pode ser lida como uma tentativa de enaltecer uma masculinidade fora dos padrões tóxicos que prevalecem na sociedade machista.

Como em toda construção de mitos, é claro que há uma série de criações fantasiosas. Uma delas, que foi dada como verdade por muito tempo, é a de que ele teria doado para a equipe de efeitos especiais 80 milhões de dólares lucrados com a franquia Matrix.

A informação foi negada pelos supostos beneficiários. Recentemente, surgiu uma imagem dele cercado de gatinhos (outra obsessão da internet), amplamente divulgada. Era uma montagem.

'KEANUÍSMO'

O “keanuísmo”, como foi classificado o culto ao ator, não para de crescer: só este ano, o ator já deu voz ao personagem Duke Caboom, de Toy Story 4, voltou a viver o fenômeno de filmes de ação John Wick (e um novo filme deve sair em 2021), e irá aparecer como personagem no jogo Cyberpunk 2077, ano que vem.

Ator, músico (ele fez parte da banda Dogstar até 2002), ativista, filantropo (apoia várias causas sociais), gente fina, discreto e meme: Keanu, ainda que despretensiosamente, virou o protótipo do homem ideal em 2019.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias