Coletividade

Festival MURAL celebra a arte do lambe-lambe no Murillo La Greca

Oficinas, debates e obra coletiva estão entre as ações, que vão de 28 a 30 de agosto

Márcio Bastos
Márcio Bastos
Publicado em 28/08/2019 às 19:43
Divulgação
Oficinas, debates e obra coletiva estão entre as ações, que vão de 28 a 30 de agosto - Divulgação
Leitura:

Do seu uso inicial para publicidade à sua ressignificação como arte urbana, os lambe-lambes (cartazes artísticos de fácil reprodução cujos formatos e conteúdos são variados) são uma forma de expressão artística pensada para espaços abertos, na cidade, que tensiona questões sociais e cria possibilidades de diálogo. De 28 a 30 de agosto, o Museu Murillo La Greca recebe a primeira edição do Festival MURAL (Movimento Urbano de Resistência e Arte do Lambe), que colocará a prática no foco, com programação gratuita que contempla encontros de artistas, oficinas e debates.

“Eu e Russo tivemos a ideia no início deste ano de fazer um festival para a prática do lambe-lambe. Somos artistas urbanos e utilizamos a rua como suporte para nossas intervenções. A gente, vendo a necessidade de haver uma articulação maior entre os artistas de lambe-lambe do Estado e nacionalmente, inscreveu um projeto para fazer”, conta Filipe Gondim.

A partir desse desejo inicial, Filipe e Russo construíram uma rede colaborativa com artistas do Recife, Olinda e da Região Metropolitana que também atuam na prática do lambe-lambe. Nessa articulação, se uniram a Anne de Souza e Mário Miranda, que assina como Bros, para montar a equipe do festival. Os pernambucanos estabeleceram ainda uma ponte com o artista visual Alberto Pereira, do Rio de Janeiro.

Com a temática Pedra, Papel e Tesoura: Dispositivos de Atravessamentos em Tempos de Guerra, o festival chega à primeira edição com a intenção de divulgar e fomentar a cena local sempre pensando em um contexto amplo, que agregue.

Independente, a ação venceu um edital de ocupação do Murillo La Greca e também conta com apoio do Sesc Pernambuco. A ação foi desenvolvida em três eixos. Um deles é o formativo, com quatro oficinas, todas com inscrições já esgotadas, que acontecem de hoje até sexta.

“As oficinas debatem e fomentam diversos temas que universalizam a prática do lambe, então vamos ter oficinas sobre reciclagem de papel, sobre o olhar afetivo sobre o cenário urbano, entre outros temas”, enfatiza.

O segundo eixo evoca o encontro para fomentar o pensamento em torno da prática artística. No sábado, às 14h, será realizada uma roda de conversa com a temática do festival e que contará com a participação de Alberto Pereira.
“Achamos que o tema deste ano dialoga com a cidade, sobre a arte urbana, a conjuntura nacional, com a censura que está acontecendo. E também como a gente pode se articular enquanto artista para fortalecer a nossa prática”, explica.

COLETIVIDADE

Ainda no sábado, como culminância do festival, os artistas produzirão um mural coletivo, a partir das 15h. Esta obra é resultado de uma convocatória aberta a artistas de todo o mundo, através da qual a organização recebeu trabalhos dos Estados Unidos, da França, Alemanha, países da América Latina e de vários estados brasileiros. Também serão utilizados na intervenção lambe-lambes criados pelos participantes das oficinas oferecidas pelo festival.

“Para a gente, essa é uma das práticas mais importantes porque tem a ver justamente com esta troca artística internacional em favor do fortalecimento da arte de rua no nosso estado”, completa Filipe.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias