DECLARAÇÃO

Roberto Alvim pede desculpa por menção nazista e credita exoneração à 'ação satânica'

Texto foi publicado pelo cineasta Josias Teófilo; ex-secretário de cultura foi demitido após parafrasear citação do ministro nazista Joseph Goebbels

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 20/01/2020 às 11:50
Notícia
Foto: Reprodução
Texto foi publicado pelo cineasta Josias Teófilo; ex-secretário de cultura foi demitido após parafrasear citação do ministro nazista Joseph Goebbels - FOTO: Foto: Reprodução
Leitura:

O ex-secretário de cultura do governo Jair Bolsonaro, Roberto Alvim, compartilhou uma mensagem em grupos do WhatsApp dizendo desconfiar que uma ‘ação satânica’ tenha provocado a sua saída da Secretaria Especial da Cultura. O texto foi publicado nas redes sociais do cineasta Josias Teófilo, diretor de "O jardim das aflições", documentário sobre o ideólogo Olavo de Carvalho, e uma das vozes que pediu a saída do então secretário.

Alvim foi exonerado pelo presidente Bolsonaro um dia após a divulgação de um vídeo para anunciar o Prêmio Nacional das Artes, na última quinta-feira (16), em que ele aparece fazendo uma citação direta ao ministro nazista Joseph Goebbels, além de símbolos como uma ópera de Wagner, compositor que era ídolo de Hitler.

"Foi tudo uma série terrível de eventos e coincidências que levaram a essa catástrofe... Estou orando sem parar, e começo a desconfiar não de uma ação humana, mas de uma ação satânica em toda essa horrível história", diz o texto.

Podcast O Fato É discute se filme de Petra Costa é propaganda política:

Leia a íntegra do texto de Alvim:

“Eu, Roberto Alvim, afirmo a quem interessar possa: eu escrevi o texto do meu discurso no vídeo, a partir de várias fontes e ideias, que me chegaram de muitos lugares.

meus assessores Denia Magalhães, Alessandro Loiola e Alexandre Leuzinger não tem NADA a ver com a escritura.

eu afirmo que não sabia que aquela frase tinha uma origem nazista, porque a frase em si não tinha nenhum traço de nazismo, por isso não percebi nada errado ali...

mas errei terrivelmente ao não pesquisar com cuidado a origem e a associações de algumas frases e ideias.

e assumo a responsabilidade por meu erro. perdi tudo por causa desse erro terrível.

a ópera Lohengrin foi postada por minha mulher pouco tenpo antes no facebook, por puro acaso. acho a ópera linda, e a coloquei por se tratar da ópera escrita após a conversão de Wagner ao cristianismo.

o que quero dizer é que não houve NENHUMA má-intenção da minha parte.

peço perdão a toda a comunidade judaica, por quem tenho profundo respeito e amor.

dei a meu filho no fim do ano passado uma camiseta de ISRAEL, que ele usou ao meu lado em minha mensagem de Natal em redes sociais.

afirmo com todas as minhas forcas que tenho total repúdio pelo nazismo, assim como por quaisquer outros regimes genocidas.

como cristão, jamais me associaria com assassinos.

foi tudo uma série terrível de eventos e coincidências que levaram a essa catástrofe...

estou orando sem parar, e começo a desconfiar não de uma ação humana, mas de uma ação satânica em toda essa horrivel história.

estou agora cuidando da minha família.

essa é minha prioridade nesse momento: minha esposa e meu filho pequeno, que estão destroçados.

perdão a todos que decepcionei e feri.

nunca tive essa intenção.

tudo o que fiz tinha como objetivo promover uma arte e uma cultura dignas e belas no Brasil.

fiquem com Deus.”

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias