Fronteira

Josh Brolin critica a separação de famílias na fronteira

Estrelando 'Sicário: Dia do Soldado', sobre tensões na fronteira entre México e Estados Unidos, o ator Josh Brolin afirma que separação é 'insensível'

Rostand Tiago
Rostand Tiago
Publicado em 29/06/2018 às 9:08
Foto: AFP/Reprodução
Estrelando 'Sicário: Dia do Soldado', sobre tensões na fronteira entre México e Estados Unidos, o ator Josh Brolin afirma que separação é 'insensível' - FOTO: Foto: AFP/Reprodução
Leitura:

O filme Sicário: Dia do Soldado não poderia ser mais oportuno: estreia este fim de semana no Brasil e nos Estados Unidos, no momento em que o governo de Donald Trump tenta conter a crise provocada pela separação de mais de 2.000 crianças de seus pais sem documentos.

A segunda parte do filme destaca justamente a humilhação e os maus-tratos sofridos por várias pessoas que tentam atravessar a fronteira entre México e Estados Unidos, incluindo muitos menores de idade não acompanhados.

Seu protagonista Josh Brolin afirmou à AFP que foi uma "experiência visceral" observar a crise, na qual crianças terminaram em jaulas ou abrigos localizados a milhares de quilômetros de distância de seus pais.

Brolin, 50 anos, afirma que não é contra a política de "tolerância zero" a respeito da imigração clandestina e até se arrisca a dizer que "neste momento parece como se Trump teria feito algo bom". Mas provocar o sofrimento de crianças supera qualquer limite.

"O que você vai fazer com as 2.000 crianças que foram separadas? Toda esta situação parece muito insensível para mim".

A trama de "Sicário: Dia do Soldado" começa com a suspeita do governo dos Estados Unidos de que cartéis de droga de México ajudam extremistas a cruzar a fronteira.

Brolin interpreta o agente da CIA Matt Graver, que recruta o misterioso Alejandro (Benicio Del Toro) para provocar uma guerra entre os grupos de criminosos com o sequestro da filha de um chefão do tráfico (Isabela Moner).

O filme dirigido por Stefano Sollima mostra muito do mundo na fronteira, o narcotráfico, o tratamento das pessoas e sobre a política externa americana.

Amor pelas crianças 

O tema da separação das crianças também afeta Brolin porque sua terceira esposa, a atriz Kathryn Boyd, está grávida de uma menina.

O ator não troca uma fralda há muitos anos: o filho e a filha de seu primeiro casamento, com Alice Adair, têm 30 e 25 anos, respectivamente. Mas ele garante que está pronto.

"Eu amo crianças, amo estar perto de crianças. A ideia é maravilhosa".

Brolin é filho do ator James Brolin, casado há 20 anos com Barbra Streisand. Apesar de ter crescido em um ambiente de gravações, a interpretação não era sua prioridade até conseguir um papel no filme "Os Goonies" (1985), que muitos consideram um clássico.

Até então, sua adolescência era marcada por episódios de roubo de carros e uso de heroína.

O ator enfrentou problemas financeiros por anos e só conseguia papéis pequenos. Mas entrou para a lista de grandes nomes de Hollywood com Onde os Fracos Não Têm Vez dos irmãos Coen e recebeu uma indicação ao Oscar de ator coadjuvante por Milk (2008).

Brolin se mostrou um ator versátil, trabalhando com diretores como Ridley Scott e Oliver Stone.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias