Consumo

O show da indústria de eletroeletrônicos acontece em Las Vegas

Consumer Electronics Show (CES), abriu oficialmente nesta terça-feira mostrando as tendências da indústria global de produtos de consumo

Fernando Castilho
Fernando Castilho
Publicado em 06/01/2015 às 19:45
Consumer Electronics Show (CES), abriu oficialmente nesta terça-feira mostrando as tendências da indústria global de produtos de consumo FOTO:
Leitura:

LAS VEGAS – Maior feira do mundo em produtos de equipamentos eletrônicos e utilidades domésticas, o CES (Consumer Electronics Show), abriu oficialmente nesta terça (06), mostrando as tendências da indústria global de produtos de consumo que chegarão ao mercado nos próximos meses.

O CES é um dos poucos eventos que consegue lotar a rede hoteleira de Las Vegas por uma semana, pelo seu tamanho. Mais de 2.000 mil jornalistas, mais de 5.000 executivos e quase 40 mil pessoas interessadas em produtos e serviços que, durante sete dias, circulam entre os turistas de Las Vegas mais interessados nos cassinos, mesas de jogos e caça níqueis presentes em toda parte. 

O agito de jornalistas e executivos de empresas de todo o mundo gera uma situação curiosa, onde a imprensa global e funcionários das empresas circulam apressados entre os turistas que só estão ali para jogar e beber. A bebida, aliás, é de graça, desde que você jogue.

Este ano o CES apresenta um pacote de lançamentos de equipamentos domésticos e produtos para o lar (dos americanos essencialmente) usando ao máximo a tecnologia digital, mas com um foco na integração entre eles.

As gigantes coreanas Samsung e LG rivalizam com a chinesa Lenovo e japonesa Panasonic na disputa de quem promove o mais espetacular lançamento. Mas parece cada vez mais claro que elas não estão sozinhas na tarefa de melhorar a vida da dona de casa ou apresentar o melhor equipamento doméstico.

A ordem no CES este ano é mostrar as parcerias entre as empresas que cada vez mais conectam sua marca de produtos com outras marcas de tecnologia da informação e de entretenimento e que tem afinidades de uso e compatibilidade tecnológica que as conectam.

Se a Samsung apresentou sua nova TV digital SUHDTV, que chega ao mercado este ano, com até 86 polegadas, além de todo um pacote de produtos que falam entre si, a conterrânea coreana não fez por menos e apresentou seu novo aparelho celular curvo, tornando realidade um problema que a Apple enfrentou ao lançar o Iphone 6. O novo LG G Flex 2, já vem “torto” de fábrica e embute toda as novas facilidades, ou melhor: o curvo parece ser uma nova tendência. A LG diz que o desenho curvado do aparelho ajuda a absorver e espalhar a energia de quedas e choques de maneira mais eficiente, reduzindo danos ao smartphone ao cair no chão.

A japonesa Sony também tem todas as linhas de eletroeletrônicos, mas mostrou um novo dispositivo para esportistas, o Smart B-Trainer, um fone de ouvido que controla todo o seu desempenho em atividades físicas, gasto calórico, entre outros dados.

O curioso desta megafesta é que cada vez mais ela junta as tecnologias desenvolvidas para telefone por exemplo a um conjunto de produtos diversos e que foram sendo incorporadas por outras, mas que caminhavam separadas nos seus segmentos. No CES 2015 parece claro que a ordem é unificar o uso fazendo a vida melhor.

Na feira empresas como a Samsung mostram que podem integrar, num futuro bem próximo, mais de 20 linhas de produtos dentro de uma casa ancorados ou gerenciados por computador, organizando funções de cada um deles e ainda gerando uma colossal base de dados, e informações de mercado, que são úteis para definir o padrão de consumo daquelas famílias.

O velho PC vai virar um hub doméstico que, em breve, vai conectar da geladeira à lavadora. Do fogão ao aparelho de TV Smart, e curvo, e do telefone celular aos demais produtos. O celular, por sua vez, vira uma espécie de controle remoto tecnológico, que faz todos os aparelhos funcionarem e manterem suas funções com mais produtividade.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias