energia

Nível de reservatórios se recupera lentamente, diz Aneel

Em outubro, o governo decidiu acionar todas as usinas térmicas devido ao volume mais baixo de chuvas

Da Agência Estado
Da Agência Estado
Publicado em 19/03/2013 às 16:07
Leitura:

O diretor-geral interino da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, informou, nesta terça-feira (19), que o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas do País está se recuperando em velocidade inferior à esperada. Segundo ele, o volume de chuvas está mais baixo do que o normal para o período.

No último dia 15, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) revisou para baixo a previsão para o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas que compõem o subsistema Sudeste/Centro-Oeste no mês de março. Isso ocorreu porque o volume de água que chega aos rios que abastecem os reservatórios das hidrelétricas dessas regiões foi "significativamente desfavorável".

"O que está acontecendo é que o nível dos reservatórios está se recuperando, está chegando mais água nos principais reservatórios, mas não na velocidade que normalmente ocorre, porque o volume de chuvas está menor", afirmou, após participar de reunião da diretoria do órgão regulador.

Em outubro, o governo decidiu acionar todas as usinas térmicas devido ao volume mais baixo de chuvas. A previsão inicial era de que, com o início do período úmido, as mais caras, movidas a óleo diesel e óleo combustível, começassem a ser desligadas em abril. Rufino destacou que uma nova decisão a respeito desse assunto somente será tomada pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE). A próxima reunião está marcada para 3 de abril.

"O CMSE, certamente, tendo presentes esses dados, vai avaliar permanentemente, como ele faz, e orientar essa questão das térmicas. O que esses dados significam, por enquanto, apenas, é que os reservatórios não estão enchendo na velocidade que gostaríamos", afirmou.

"Várias variáveis são levadas em consideração pelo CMSE, e o que se faz é trabalhar com uma expectativa, com base em um longo histórico que o setor elétrico conhece dessa vazão. À medida que ela não se confirma, tendo uma vazão inferior à estimada, é preciso reavaliar o assunto e essa questão do despacho das térmicas."

Rufino reiterou que, embora mais caras, as térmicas estão no Sistema Interligado Nacional (SIN) justamente para serem usadas em períodos como o atual. "De fato, elas custam mais caro, não temos gosto por despachá-las, mas elas foram instaladas e têm um custo para ficarem disponíveis, que é como um seguro mesmo", afirmou.

"Como não conseguimos regular o nível da água, apenas torcemos para que o regime de chuvas seja bom. Na ausência do volume de chuvas que a gente deseja, as térmicas são despachadas. Vai custar mais caro, mas elas estão aí para isso", acrescentou.

O diretor-geral interino disse ainda que o socorro que o governo dará às distribuidoras com recursos da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) ainda será regulamentado pela Aneel. A proposta terá de ser aprovada pela diretoria do órgão regulador.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias