governo

Receita apreendeu 16,97% menos mercadorias em 2013

As informações foram divulgadas na manhã desta terça-feira, 11, pelo Fisco

Da AE
Da AE
Publicado em 11/02/2014 às 12:35
Leitura:

A apreensão de mercadorias pela Receita Federal em 2013 caiu 16 97%, passando de R$ 2,025 bilhões em 2012 para R$ 1,681 bilhão no ano passado. As informações foram divulgadas na manhã desta terça-feira, 11, pelo Fisco. O subsecretário de Aduana e Relações Internacionais da Receita Federal, Ernani Checcucci, negou que essa queda seja resultado do corte orçamentário ocorrido no ano passado. "Não houve impacto em atividades operacionais", afirmou.

No fim do ano passado, o jornal O Estado de S. Paulo mostrou que o governo cortou gastos que comprometeram o funcionamento da Receita Federal. O corte de despesas afetou ações de combate ao contrabando e pirataria. Além de não ter dinheiro para custear o deslocamento dos fiscais, a Receita teve de frear o desenvolvimento de novos programas de informática.

"Todos os órgãos do governo tiveram cortes orçamentários e tiveram de se ajustar ao orçamento disponível. A Receita, por adotar critérios de gestão que identificam onde estão as maiores preocupações e necessidade de atuação, fez ajuste para que não houvesse impacto operacional da Receita Federal", afirmou hoje Checcucci.

Checcucci argumentou que a redução se deve ao alto resultado de 2012, quando ocorreu a operação Pouso Forçado, que consistiu na apreensão de aeronaves. "Foi uma operação atípica", justificou.

O subsecretário disse que os números do ano passado mostram resultado positivo e que não há números "fora do planejado". "A Receita não deixou de atuar em momento algum durante o ano", disse. Ele argumentou que houve aumento de 11,9% nas operações realizadas no passado, passando de 2.680 para 2.999. "O número de operações de repressão realizada aumentou a despeito dos cortes que ocorreram", disse.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias