APOIO

Brexit pode ajudar agricultura, mas Brasil perde apoiador na UE, diz MacroSector

Um possível bloco entre Inglaterra e Estados Unidos seria prejudicial ao Brasil

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 24/06/2016 às 11:25
Foto: PHILIPPE HUGUEN / AFP
Um possível bloco entre Inglaterra e Estados Unidos seria prejudicial ao Brasil - FOTO: Foto: PHILIPPE HUGUEN / AFP
Leitura:

A saída do Reino Unido da União Europeia (UE), conhecida como "Brexit", pode ajudar as exportações da agricultura brasileira, na avaliação do sócio e diretor da MacroSector Fabio Silveira. Segundo ele, a agropecuária inglesa é pequena e o Brasil pode ampliar as vendas externas ao Reino Unido, sem a pressão de outros países agrícolas da UE, como a França. 

"A Inglaterra é uma potência financeira, mas a agricultura é fraca, o que é bom pra o Brasil, pois a saída favorece um acordo bilateral com a Inglaterra. Por outro lado, a Inglaterra é uma das apoiadoras da aproximação do Mercosul com a União Europeia, defensora do livre comércio, e vai ser ruim para o País perder esse apoio", disse Silveira.

Segundo o economista, o Reino Unido e a Inglaterra, em particular, devem buscar a formação de um bloco comercial com os Estados Unidos após a saída da UE, num movimento chamado por Silveira de "sinal trocado", já que os norte-americanos são ex-colônias dos ingleses. "Prevaleceu entre os ingleses a mentalidade de ontem, com a perspectiva de anteontem e um sinal trocado. Os ingleses preferirão fundar bloco com os Estados Unidos, rejeitando a questão histórica e a integração com a Europa".

>> Brexit: entenda o que está em jogo no referendo sobre saída do Reino Unido da UE

Esse possível bloco entre Inglaterra e Estados Unidos seria prejudicial ao Brasil, já que os ingleses dariam preferência, na avaliação do sócio da MacroSector, ao comércio com produtos norte-americanos.

Ainda segundo Silveira, o cenário de curto prazo será marcado por volatilidade, mas apenas por conta de uma reacomodação do fluxo de capital diante da decisão do Reino Unido. 

"Reposicionamento com Brexit é diferente de crise causada pela Grécia no passado, por exemplo. Não há ameaça de um colapso financeiro, com a possibilidade de quebras de bancos", disse. "É possível que o BC inglês suba juros para fortalecer a libra, mas dentro desse movimento de reacomodação", concluiu.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias