FAZENDA

Meirelles: sem a atual retomada, recessão seria a maior da história

Em entrevista a jornalistas, Meirelles repetiu sua palestra de pouco antes, demonstrando confiança na aprovação da proposta de emenda constitucional (PEC) que cria um teto para os gastos públicos

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 25/07/2016 às 17:00
Foto: José Paulo Lacerda/ CNI
Em entrevista a jornalistas, Meirelles repetiu sua palestra de pouco antes, demonstrando confiança na aprovação da proposta de emenda constitucional (PEC) que cria um teto para os gastos públicos - FOTO: Foto: José Paulo Lacerda/ CNI
Leitura:

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta segunda-feira (25) que a recuperação da atividade econômica, que já aparece em indicadores antecedentes, evitará que a recessão atual por que passa o Brasil seja a maior da história. Mesmo assim, já será a maior desde 1930 e 1931, quando o País enfrentava a Grande Depressão, iniciada com a quebra da bolsa de Nova York, em 1929. "Se não houvesse esta retomada, da qual já estamos vendo antecedentes e deve ocorrer, (a recessão) seria a maior da história brasileira. Essa retomada que estamos vendo para os próximos trimestres evita que seja a maior da história, mas ainda será a maior desde 1931", afirmou Meirelles, na saída de seminário promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

 

Em entrevista a jornalistas, Meirelles repetiu sua palestra de pouco antes, demonstrando confiança na aprovação da proposta de emenda constitucional (PEC) que cria um teto para os gastos públicos e de uma reforma da Previdência, que deve tornar a idade mínima obrigatória e valer já, com regras de transição para quem está próximo de se aposentar. 

Meirelles ressaltou que o governo não tem como transformar um déficit de R$ 170 bilhões, como o previsto para este ano, em superávit num período de dois anos. Segundo ele, o superávit tem que ser sustentável.

O governo já iniciou o desenho de securitização e venda de ativos, e o BNDES terá papel importante de estruturador de projetos de privatização. Segundo Meirelles, o País pode retomar ocrescimento em 2017. "Há motivos suficientes para ser otimista. Todos querem transformar o Brasil numa economia desenvolvida", declarou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias