Atividade

Crescimento do PIB revela maior confiança do setor privado na economia

Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro registrou alta de 0,60% no terceiro trimestre de 2019

Leonardo Spinelli
Leonardo Spinelli
Publicado em 04/12/2019 às 5:35
Notícia
Diego Nigro / Acervo JC Imagem
Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro registrou alta de 0,60% no terceiro trimestre de 2019 - FOTO: Diego Nigro / Acervo JC Imagem
Leitura:

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro registrou alta de 0,60% no terceiro trimestre de 2019 ante o trimestre imediatamente anterior, totalizando R$ 1,842 trilhão, informou nesta terça-feira (3) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado foi a maior variação nessa ótica de comparação desde o primeiro trimestre de 2018, quando a alta foi de 0,7% ante o quarto trimestre de 2017. Os dados mostram mais uma vez que a retomada da atividade econômica no País acontece de forma lenta desde então, após o período 2014/2016 que registrou a pior recessão econômica da história brasileira, quando o PIB teve dois encolhimentos seguidos de 3,5% (2015) e 3,3% (2016).

O resultado do trimestre ficou acima das estimativas do mercado, o que fez o presidente Jair Bolsonaro dizer que sua equipe econômica já esperava uma “boa notícia”. “É algo inesperado para os analistas econômicos, mas da nossa parte sabíamos que viria uma boa notícia. E a nossa equipe diz que previsão para o quarto trimestre é crescer. O Brasil está crescendo.”
A recuperação do PIB, no entanto, não é suficiente para recuperar a década, que vai ter um crescimento médio de 1% ao ano, índice menor do que o registrado nos anos 80 da década perdida, quando o crescimento foi de 1,6% ao ano.

O economista-chefe da Nova Futura Investimentos, Pedro Paulo Silveira, diz que os números do terceiro trimestre mostram um crescimento a despeito de um menor gasto governamental, demonstrando um retorno da confiança do setor privado. “Por conta da crise fiscal, o governo encolheu os gastos em 0,4% e mesmo assim as previsões para 2020 continuam em 2,2% para o PIB, com o setor privado liderando o crescimento, principalmente pela recuperação da construção civil em São Paulo, a expansão da produção de petróleo e minério de ferro e, por fim, por causa da liberação do FGTS.”

EMPREGO

O crescimento também não é suficiente para melhorar o panorama do emprego, hoje o pior indicador econômico brasileiro que patina na casa dos 11,6% de taxa de desocupação, mesmo com o crescimento das vagas com carteira assinada. Os últimos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram que o País criou 841,6 mil novos postos formais de emprego este ano, o maior número para o período desde 2014. “O ritmo de recuperação da economia não é suficiente para abrir mais postos de trabalho e, no caso da carteira assinada, é válido salientar que perdemos muitas vagas do setor público, que não vai colaborar com a retoma desse índice”, disse Silveira.

O economista Jorge Jatobá salienta que, para o Brasil voltar a gerar emprego num ritmo mais rápido, é necessário que o PIB cresça acima dos 2% anuais. Ele salienta que o País deverá fechar o ano com um novo crescimento na casa de 1%, o que na sua avaliação, é pífio. “O crescimento econômico acima de 2% é importante para aumentar a renda per capita, já que a população está crescendo pouco”, avalia, lembrando que a ocupação vem crescendo apenas no emprego informal e ainda registra quase 5 milhões de pessoas desalentadas.

Pesquisador do Ibre, o economista Marcel Balassiano considera que o alto desemprego tira a importância de outro bom indicador da economia brasileira, a baixa inflação, mesmo com a pressão do dólar. “Não adianta inflação baixa se as famílias não têm renda para se sustentar”, avaliou.

Balassiano diz que principal marco econômico de 2019 foi a aprovação de uma reforma “robusta” da Previdência (com economia de R$ 630 bilhões em dez anos), que serviu para colocando para baixo a curva da princial despesa primária do governo. Ele salienta que para o próximo ano a preocupação é com as outras reformas, como a tributária e a administrativa e ressalva que a instabilidade política, no entanto, pode atrapalhar o crescimento previsto sob a ótica dos números atuais. “Em 2018 tivemos greve dos caminhoneiros e a incerteza das eleições, este ano tivemos crise argentina que tirou 0,2% do PIB, Brumadino tirou mais alguma coisa e a guerra comercial. Não fosse isso poderíamos crescer 1,5%”, diz, relembrando que no final do ano passado a estimativa para 2019 era de crescimento de 2,5%.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias