PRIVACIDADE

Governo Federal vai notificar Tinder e Grindr por vender dados de usuários

Os apps terão dez dias para esclarecer se informações pessoais de consumidores brasileiros foram comercializadas ilegalmente

Marcelo Aprigio
Marcelo Aprigio
Publicado em 15/01/2020 às 11:28
Notícia
Foto: Marcelo Aprígio/JC
Os apps terão dez dias para esclarecer se informações pessoais de consumidores brasileiros foram comercializadas ilegalmente - FOTO: Foto: Marcelo Aprígio/JC
Leitura:

A Secretaria Nacional dos Consumidor (Senacom) do Ministério da Justiça e Segurança Pública vai notificar os aplicativos relacionamento Tinder e Grindr, acusados de compartilhar dados de usuários com empresas terceirizadas, incluindo sua orientação sexual, segundo um estudo realizado pelo Conselho de Consumidores da Noruega, uma organização sem fins lucrativos mantida pelo governo.

O conselho assegurou que o Grindr, destinado especificamente ao grupo LGBT, compartilha dados de GPS, direção IP, idade e sexo de seus usuários com múltiplas empresas para melhorar a eficiência dos anúncios publicitários. O relatório também envolve o Tinder, acusado de compartilhar dados de seus usuários com pelo menos 45 empresas de seu proprietário, o Grupo Match.

A Senacon do Ministério da Justiça dará o prazo de dez dias para os responsáveis pelos aplicativos esclarecerem se informações pessoais de consumidores brasileiros foram comercializadas ilegalmente. A suspeita nasceu na Noruega, onde Tinder e Grindr foram acusados de violar a privacidade dos internautas.

No Brasil, caso comprovado o compartilhamento de dados privados dos usuários pelo aplicativos, as empresas donas das plataformas de paquera, se condenadas, poderão pagar multa de até R$ 9 milhões.

O estudo norueguês também aponta como é difícil para o usuário comum descobrir e entender como suas informações pessoais são compartilhadas. Por isso, o governo brasileiro deve priorizar a pauta de defesa do consumidor na era digital, seguindo orientação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), da qual o Brasil espera se tornar integrante ainda em 2019, após apoio dos Estados Unidos à sua candidatura.

Apps se defendem

Já o Match Group, dono do Tinder e do OkCupid, afirmou em um posicionamento enviado ao jornal "The New York Times" que trabalha em parceria com companhias terceiras e que compartilhou apenas dados estritamente necessários para esses serviços. O grupo disse ainda que cumpre leis de privacidade e que tem contratos com parceiros que garantem a segurança dos dados dos usuários.

O Grindr, controlado pela empresa chinesa Beijing Kunlun, foi procurado pela AFP, mas não quis comentar a denúncia.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias