INFRAESTRUTURA

Trabalhadores do EAS farão protesto contra demissões em Suape

Nos dois primeiros meses deste ano, foram demitidas cerca de 200 pessoas

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 25/02/2015 às 9:00
Edmar Mello/ JC Imagem
Nos dois primeiros meses deste ano, foram demitidas cerca de 200 pessoas - FOTO: Edmar Mello/ JC Imagem
Leitura:

Em reação às demissões das últimas semanas, trabalhadores do setor naval preparam um grande protesto para a próxima quarta-feira em vários Estados onde os estaleiros estão reduzindo o seu quadro de pessoal. Caso do Estaleiro Atlântico Sul (EAS), instalado no Complexo Industrial e Portuário de Suape.

Localmente, a expectativa é de que mais demissões ocorram depois que o EAS pediu o rompimento do contrato com a Sete Brasil, empresa criada pela Petrobras para administrar as sondas que seriam usadas na exploração do pré-sal. A Sete Brasil apareceu nas investigações da Operação Lava Jato, que apura um esquema de desvio de dinheiro envolvendo diretores da Petrobras, empresas e políticos.

“Um levantamento mais acurado indica que as demissões por causa do rompimento do contrato com a Sete podem envolver 850 funcionários que trabalham diretamente relacionadas à produção das sondas”, disse, ontem, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Pernambuco, Henrique Gomes. Anteontem ele afirmou que o rompimento do contrato afetaria os 250 trabalhadores que operavam somente na linha de produção das sondas.

O EAS forneceria sete sondas à Sete Brasil, num contrato cujo valor é de US$ 6 bilhões (cerca de R$ 17,4 bilhões). O contrato foi rompido, segundo o EAS, pela inadimplência da Sete Brasil, que também não recebeu um empréstimo do Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES) porque apareceu como envolvida na Lava Jato.
Também ocorrerão protestos nas proximidades dos estaleiros localizados no Rio de Janeiro, Bahia, Espírito Santo e Rio Grande do Sul, que também fabricavam sondas. “O problema é nacional. Cerca de 20 mil pessoas foram demitidas no setor naval de 2014 até agora”, conta Gomes. No EAS, segundo cálculos do sindicato, foram demitidos 500 trabalhadores, entre agosto e dezembro últimos e mais 200 desligamentos ocorreram nos dois primeiros meses deste ano. Atualmente, o EAS tem 4,8 mil funcionários.

“A situação é muito crítica. Cerca de 90% das encomendas do setor naval foram feitas pela Petrobras (incluindo as subsidiárias)”, comentou o presidente do Sindicato da Indústria Metal Mecânica de Pernambuco (Simmepe), Alexandre Valença.
Um levantamento feito pelo Sindicato dos Metalúrgicos de vários Estados indica que a construção de sondas emprega 1,5 mil trabalhadores na Bahia; 1 mil pessoas no Rio Grande do Sul; 450 funcionários no Espírito Santo e 1,2 mil pessoas em Angra dos Reis.

Além de protestar contra as demissões, o sindicato de trabalhadores local vai pedir que o EAS faça uma reclassificação funcional de 428 funcionários que estão recebendo um salário menor por desvio de função.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias