Crise

Desempregados em busca de trabalho na obra da Refinaria Abreu e Lima

Cadastro realizado pelo Sintepav para atualizar banco de dados atraiu 6 mil pessoas

Adriana Guarda
Adriana Guarda
Publicado em 02/03/2016 às 11:47
Bobby Fabisak/JC Imagem
Cadastro realizado pelo Sintepav para atualizar banco de dados atraiu 6 mil pessoas - FOTO: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

O centro do Cabo de Santo Agostinho foi tomado na manhã da terça-feira (01) por uma legião de seis mil desempregados. A Estação Ferroviária do município se transformou numa agência do trabalho improvisada, recebendo currículos de profissionais em busca de uma vaga na Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Suape. A convocação foi feita pelo Sindicato dos Trabalhadores na Construção Pesada de Pernambuco (Sintepav-PE), que teve acesso a uma informação extra-oficial de que no próximo dia 15 serão abertos os envelopes da licitação de retomada da obra da refinaria da Petrobras. As filas começaram a se formar na noite da segunda-feira. A multidão atrapalhou o trânsito e assustou os empresários do comércio. A coleta dos currículos, que deveria se estender até as 16h, foi suspensa às 10h.

“Iniciamos esse cadastramento na semana passada. A primeira etapa aconteceu no Recife e decidimos levar a segunda para o Cabo, em função da quantidade de interessados. A convocação foi feita por meio dos grupos de WathsApp de trabalhadores e informamos que deveriam comparecer profissionais da construção pesada com experiência no polo petroquímico. Mas o desemprego no Estado fez aparecer gente de outras áreas. A intenção do sindicato é atualizar nosso banco de dados para oferecer à empresa ou consórcio que assumir a retomada da obra do primeiro trem (primeira etapa) da refinaria. Isso é necessário porque precisamos saber quem são os profissionais pernambucanos depois que os trabalhadores dos outros Estados foram embora”, observa o presidente do Sintepav-PE, Aldo Amaral. Depois da desmobilização na Rnest, o setor da construção pesada contabiliza 30 mil desempregados e outros 15 mil na ativa.

Pelas contas do Sintepav, foram cadastradas entre 12 mil e 15 mil pessoas até ontem e o recebimento de currículos só será retomado na próxima semana, em um local mais adequado. “Vamos conversar com a Prefeitura do Cabo para ver se eles cedem o espaço do estádio de futebol”, adianta Amaral. O município registrou a segunda maior perda de vagas com carteira assinada em janeiro (-2.459), atrás apenas do Recife (-3.224). O cadastro atraiu caravanas de várias cidades do Estado.

A Petrobras precisa, de fato, retomar as obras da Abreu e Lima. Em janeiro, a companhia assinou um termo com o governo de Pernambuco, comprometendo-se a concluir a unidade SNOx (responsável por reduzir a emissão de gases na atmosfera) para obter a renovação de sua licença de operação. A empresa tem até outubro de 2017 para concluir a obra, sob pena de não ter a licença renovada no próximo ano e de pagar uma multa de R$ 8 milhões.

No orçamento da Petrobras para este ano está previsto um investimento de R$ 756 milhões na Rnest, que será aplicado na obra da SNOx. O primeiro contrato de construção da unidade foi assinado entre a Petrobras e o consórcio Ebe-Alusa em 2011, com orçamento previsto em R$ 574,6 milhões. Em 2014, as companhias entraram em divergência sobre valores dos aditivos e o consórcio abandonou a obra. No ano passado, a Petrobras tentou relicitar a obra, mas suspendeu o processo em julho por conta dos orçamentos das empreiteiras e pela falta de concorrentes.

Por meio de nota, a Petrobras informa que “a unidade SNOx já se encontra 70% concluída, a licitação já está em andamento, com previsão de assinatura de contrato de construção e montagem até julho de 2016. No momento, a Petrobras está preparando outros editais de licitação visando o término de obras remanescentes”.

“Pelas informação ainda não oficiais que obtivemos, a retomada da refinaria vai gerar mil empregos diretos e outros indiretos, por meio das empresas subcontratadas pelas empreiteiras. Embora seja pouco, é um alento para o grande número de desempregados na construção pesada”, pondera Amaral.

O secretário de Desenvolvimento Econômico do Cabo, Sebastião Belo, diz que o desemprego no município é alarmante. “Nossa estimativa é de que, além da população local, tenham ficado na cidade 38 mil pessoas de outros lugares que vieram trabalhar em Suape, perderam os empregos e não voltaram para as suas cidades”, afirma.

Na balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), apresentado na última segunda-feira, a União informou que a conclusão da refinaria foi novamente adiada com previsão de entrega para 2019. A última estimativa da Petrobras apontava a retomada da construção do segundo trem (etapa dois) para 2017, com previsão de entrada em operação no final de 2018. O lançamento da pedra fundamental da obra aconteceu em 2005 e a construção teve início em 2007. Se o cronograma de 2019 se concretizar, serão 12 anos de obras.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias