Negócios

Depois de se destacar no varejo, Grupo JCPM diversifica os negócios

Companhia entrou nos ramos de shopping, comunicação e vinicultura

Adriana Guarda
Adriana Guarda
Publicado em 02/06/2016 às 7:05
Renato Spencer/Acervo JC Imagem
Companhia entrou nos ramos de shopping, comunicação e vinicultura - Renato Spencer/Acervo JC Imagem
Leitura:

Ao longo de sua trajetória, o Grupo JCPM empreendeu um processo de diversificação nos negócios. Outros setores foram se agregando à herança varejista da companhia. Depois de expandir a operação para o Recife, em 1966, com a inauguração do Bompreço, a empresa apostou no agronegócio, na atividade industrial e no segmento de comunicação.

“Nem todas essas apostas foram acertadas, mas soubemos nos desafazer dos negócios quando percebemos que não estavam alinhados ao nosso planejamento estratégico”, afirma João Carlos. Em 1970, o Grupo implantou a Avícola Da Gema, com 630 mil aves, e em 1974 adquiriu indústria Palmeiron (vendidos posteriormente). No final do Anos 80 assumiu o então sucateado Sistema Jornal do Commercio de Comunicação para transformá-lo em um dos maiores grupos do Norte e Nordeste. Na empreitada, contou com homens de confiança como o jornalista Ivanildo Sampaio e Eduardo Lemos. Os irmãos Reginaldo, Eduardo e José Américo também são parte da história de sucesso do Grupo.

Depois alçar o Bompreço a uma das maiores redes de supermercados do País, João Carlos decidiu se associar a grupos maiores. Em 1996 abriu o capital e firmou parceria com empresa holandesa Royal Ahold. Quatro anos depois surpreendeu o mercado se desfazendo de toda a sua participação na cadeia varejista. “Estava com o sentimento de dever cumprido. Tinha colocado o Nordeste no mapa mundial do setor, mas estava cansando. Era uma rotina muito ostensiva e chegamos a ter mais de 150 lojas. Eu trabalhava, praticamente, sete dias por semana”, diz. Enveredou pelo setor de shopping center e seguiu sua trajetória, criando a holding JCPM.

“João Carlos é um exemplo de quadro empresarial do Nordeste que nos orgulha. Um empreendedor que alcançou projeção nacional e internacional. Nos envaidecemos de acompanhar a trajetória dele há décadas como fornecedores”, observa o vice-presidente de Investimentos do grupo cearense M.Dias Branco, Geraldo Luciano Mattos Junior.

O empresário sempre deu liberdade a executivos e colaboradores para apresentar ideias, mas costuma brincar que quem bate o pênalti é ele. “Num time de futebol quem deveria bater o pênalti é o presidente”, diz o empresário, que torce pelo Náutico.

O presidente da Fecomércio, Josias Albuquerque, destaca a visão social do empreendedor. “Temos o prazer de participar junto com o Instituto JCPM da qualificação profissional de jovens da vizinhança dos empreendimentos do Grupo”, afirma.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias