COMBUSTÍVEIS

Preço da gasolina cai no Recife

Postos do Recife acompanham tendência de queda registrada nos preços repassados pelas refinarias às distribuidoras

Bianca Bion
Bianca Bion
Publicado em 29/11/2018 às 5:30
Foto: André Nery/Acervo JC Imagem
Postos do Recife acompanham tendência de queda registrada nos preços repassados pelas refinarias às distribuidoras - FOTO: Foto: André Nery/Acervo JC Imagem
Leitura:

Após a Petrobras aplicar sucessivos cortes nos preços da gasolina e do diesel nas refinarias, alguns postos do Recife estão comercializando combustível mais barato. A reportagem do JC encontrou o litro da gasolina sendo vendido por R$ 3,91. Na semana passada, a Agência Nacional de Petróleo (ANP) verificou preço médio de R$ 4,31 na capital do Estado.
Ontem, entrou em vigor nova redução de 3,53% no preço do litro da gasolina comercializado às distribuidoras nas refinarias da Petrobras, atingindo um valor médio de R$ 1,5007. Corrigido pela inflação, é o menor preço em 13 meses. Só em novembro, houve queda de quase 20%.

 

Alguns postos já estão conseguindo repassar os descontos para os clientes. No posto Escadense, na Rua São Miguel, em Afogados, há dez dias, o preço do litro da gasolina passou de R$ 4,19 para R$ 3,91, quase R$ 0,30. “O reajuste nas refinarias influencia, mas também seguimos a concorrência”, diz o chefe de pista do estabelecimento, Inaldo Menezes. Na Rua São Miguel, a concorrência é acirrada. É possível encontrar o litro da gasolina por R$ 3,94 e R$ 3,98.

O mesmo movimento de redução aconteceu no posto FVV, na Avenida Militar, no bairro do Recife Antigo. Segundo o gerente, George Gomes, foi repassado redução de R$ 0,30 para o consumidor em duas semanas. Hoje, o litro sai por R$ 4,19. “Assim que a distribuidora nos dá o desconto, nós repassamos para o consumidor. A queda no valor depende da refinaria, da distribuidora receber o combustível mais barato e do estoque do posto, por isso o preço pode variar”, explica.

Os consumidores já notaram que é preciso pesquisar para encontrar o valor mais baixo. “Não sinto o preço baixar. Eu faço pesquisa, quando vejo que está mais barato, abasteço logo”, comenta o economista Evaldo Marinho, 63 anos. O mesmo é sentido pela funcionária pública Polyana Soares, 34. “O litro estava por R$ 4,60 e passou para R$ 4,19, há um mês. Os preços variam muito, então, sempre pesquiso”, afirma.

CAUSAS

O ciclo de queda do combustível na refinaria começou no dia 22 de setembro, motivado pelo recuo da taxa de câmbio às vésperas do primeiro turno das eleições. Ao mesmo tempo, o valor do barril de petróleo caiu. Na última sexta-feira, o valor desabou 8% e chegou ao menor nível em um ano. “As quedas começaram há cerca de 60 dias. Há uma tendência de queda porque a estatal baixa o preço, mas a distribuidora nem sempre recebe esse combustível mais barato no mesmo dia. Isso vai chegando gradativamente. Já é possível encontrar o litro da gasolina por R$ 4”, explica o diretor da rede Ecopostos, Rafael Coelho. É importante lembrar que os preços praticados pelos postos de gasolina são livres, então, cabe aos donos decidirem se vão repassar os descontos ou não. 

Nem todo mundo sente a queda no valor do combustível. A ANP pediu esclarecimento às principais distribuidoras sobre por que a queda dos preços dos combustíveis nas refinarias da Petrobras não chega ao consumidor final. As empresas têm 15 dias para responder. Pelas contas da ANP, o litro da gasolina nas refinarias da estatal ficou R$ 0,46 mais barato do dia 18 de setembro até a semana passada. Mas para o consumidor final a redução foi de R$ 0,04.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias