TURISMO

Recife deve se tornar a primeira cidade do Brasil a receber certificação internacional da OMT

Segundo a secretária de Turismo do Recife, Ana Paula Vilaça, o início do processo de certificação, que tem duração prevista de 12 meses, depende apenas da aprovação do orçamento (cerca de 30 mil euros)

Mona Lisa Dourado
Mona Lisa Dourado
Publicado em 20/05/2019 às 17:08
Notícia
Foto: Mona Lisa Dourado/JC
Segundo a secretária de Turismo do Recife, Ana Paula Vilaça, o início do processo de certificação, que tem duração prevista de 12 meses, depende apenas da aprovação do orçamento (cerca de 30 mil euros) - FOTO: Foto: Mona Lisa Dourado/JC
Leitura:

FOZ DO IGUAÇU - Recife deve se tornar a primeira  cidade do Brasil a receber uma certificação internacional da Organização Mundial do Turismo (OMT) pela gestão dos serviços direcionados aos visitantes. A informação foi revelada por Marcela Pimenta, representante no País do órgão responsável pela chancela, a UNWTO Academy. A executiva apresentou o programa durante o 1º Encontro de Líderes, evento realizado na última semana em Foz do Iguaçu (Paraná), que contou com a presença de investidores, gestores públicos, entidades e empresários do trade turístico nacional.

Segundo a secretária de Turismo do Recife, Ana Paula Vilaça, o início do processo de certificação, que tem duração prevista de 12 meses, depende apenas da aprovação do orçamento (cerca de 30 mil euros) e do formato de contratação pela Procuradoria Geral do Estado (PGE). "A expectativa é que até junho tenhamos essa autorização, para requerer o UNWTO Quest (selo de qualidade) em julho. Dessa forma, em julho de 2020 já deveremos contar com o reconhecimento", estima. O selo é válido inicialmente por quatro anos, podendo ser renovado.

Passo a passo

O primeiro passo para obtê-lo consiste em uma auditoria e avaliação técnica para verificar o nível de preparação da cidade, explica Marcela Pimenta. Em seguida, é proposto um plano de melhoria e um treinamento para alcançá-la antes que o destino se submeta à auditoria final e validação da certificação. "As análises são feitas em três áreas. Conferimos se a governança da gestão é eficiente, se a execução do plano de turismo e dos recursos é feita de maneira adequada e se o órgão oficial de turismo assume o seu papel de líder estratégico", detalha.

Os benefícios são proporcionais às exigências e incluem ferramentas para inovação, sustentabilidade e competitividade do destino. "A cidade também passa a compor um grupo de órgãos oficiais certificados, o que proporciona uma troca e um networking importantes para o desenvolvimento contínuo", completa Marcela Pimenta.

A última cidade da América do Sul certificada, no início deste ano, foi Punta del Este, famoso balneário uruguaio. Existem pelo menos outros 200 destinos reconhecidos em 35 países.

 

Para alcançar a distinção, Ana Paula Vilaça aposta no planejamento e monitoramento de indicadores e metas, assim como no Plano de Turismo Criativo do Recife, que oferece subsídios para empreendedores investirem em produtos que proporcionem experiências únicas ao visitantes. "Temos resultados concretos e mensuráveis, que nos deixam muito otimistas, como o reposicionamento do Recife como destino de lazer de destaque no País, as seguidas premiações do nosso aeroporto e o projeto de ocupação do centro histórico Recife Antigo de Coração. Creditamos tudo isso à gestão e governança do setor", destaca.  Atualmente, o Recife tem uma média de ocupação hoteleira anual de 70%, que chega a 98% no Carnaval.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias